Western Union e MasterCard, Truncation e Generic Branding

Olá e viva o Sábado!

Quem segue a Liga dos Campeões e a Liga Europa, talvez tenha notado nos seus patrocinadores, a Western Union e a MasterCard. São 90+ minutos de jogo em que a nossa mente consome a publicidade no estádio, por isso é bem provável que se lembre destas duas empresas.

Mas, você não viu nem westernunion.com, nem mastercard.com a passar constantemente pelos seus olhos. Nada disso. O que você e outros tantos milhões de espectadores viram foi um exemplo de truncation e outro de generic branding.

Caso ainda não se lembre, fica aqui a nota:

A Western Union gastou milhões para anunciar o domínio WU.com, um claro exemplo de truncation (westernunion.com passa apenas a ser wu.com) e para os ainda cépticos, fica aqui a questão: porque é que uma empresa como a Western Union iria gastar milhões a anunciar um domínio que não é a sua marca, se não lhes fosse rentável? Para o ajudar na resposta, fica aqui uma dica…o domínio WU.com faz um forward para o westernunion.com.

A MasterCard gastou outros tantos milhões para anunciar o domínio Priceless.com, este sendo um exemplo fantástico de generic branding para um segmento dos seus serviços que ainda estão a ser lançados em vários países. O domínio Priceless.com vende experiências e é um genérico fabuloso. Faço-lhe novamente a pergunta: porque é que uma empresa como a MasterCard iria gastar milhões a anunciar um domínio que não é a sua marca, se não lhes fosse rentável? Priceless=MasterCard???

Ainda está com um domínio que só você e o seu “informático” acham engraçado, mas que não diz nada aos seus clientes? Continua a cair no erro de pensar que um domínio é apenas aquela “coisa” depois do www?

Aproveite as sugestões que lhe tenho deixado neste site. Acredite…este tipo de texto é Priceless.

Bom fim de semana!

Joao Mesquita

Os nossos leitores também viram:

As novas extensões e o futuro

A ICANN, entidade gestora de extensões de domínios como a .com, já revelou há pouco tempo a lista de pedidos para a criação de novas extensões. Nesta lista figuram mais de 1000 novas extensões e é certo que muitas delas foram requisitadas por mais do que uma empresa, ou seja, para algumas extensões irá existir uma pequena guerra para obter o direito pela mesma.

Nesta lista vemos extensões como .web, .site, .inc, .horse, entre muitas outras. Umas mais razoáveis em termos de utilidade que outras, mas entretanto é importante dizer que o processo de abertura custava algo como 180.000$ (não reembolsáveis), por isso não era para quem queria, mas sim para quem podia. Fora a exorbitância de custos de manutenção. Mesmo assim, vi nascer uma empresa de seu nome Donuts Inc. que conseguiu reunir qualquer como 100 Milhões de USD para investimento nesta área.

Ou seja, para aqueles que pensam que os domínios estão a falecer só porque sim, eu cá parava para pensar se os outros são todos burros ou se só vocês é que estão bem. Boa?

Mas esta avalanche de novas extensões que supostamente são abertas em 2013 (coisa que não é provável, mas tudo bem), leva à seguinte pergunta:

Qual é o futuro do domaining?

A resposta é simples e já foi bastante discutida noutros sites, mas fica aqui a minha opinião. Talvez mais de 70% das novas extensões vão ser um fiasco para as empresas que as gerem. Quem conhece a palavra clusterfuck percebe perfeitamente aquilo que se vai passar na mente do consumidor, isto porque as pessoas não mudam de serviços só porque sim. O consumidor faz escolhas novas porque vê algo nesse novo serviço que não vê noutro. É simples. Já os factores de mudança podem ser discutidos, mas esta é uma verdade. Posto isto, porque é que alguém muda de um .com para um .site? Ou alguém muda de um .pt para um .horse?

Bom, por um lado, temos várias extensões que têm o apoio de governos por isso já se sabe que quer venda ou não, essa extensão estará disponível porque são os contribuintes que pagam. Mas como a maioria delas são extensões que têm de sobreviver de resultados, clusterfuck will happen. Para o consumidor final, irá existir uma inundação de informação de tal forma agressiva que as pessoas vão querer ficar na sua zona de conforto porque não existe uma grande mais valia. O hábito de utilização está nas extensões mais utilizadas HOJE e é muito difícil alterar essa dinâmica assim do nada. Não é impossível, mas atrevo-me a dizer que demorará gerações.

No meio disto tudo, existem extensões que vão de facto produzir resultados positivos. Não tenho dúvidas que do ponto de vista de um Registrar, existem extensões que vão ser rentáveis. Temos de pensar que vender domínios como registrar não é o mesmo que vender como Domainer, mas também é importante que os Domainers gostem da solução para alavancar a extensão e qualquer Registrar sabe e percebe isso. O problema será mesmo convencer as massas que aquela determinada extensão é a solução à .com. Ora, isto é uma utopia mas o marketing também serve para mentir. O problema é o engodo produzido porque não existe melhor extensão que a .com e já existem tantos dados que comprovam isso mesmo, que só quem realmente está de fora é que não percebe. Ou…quem tem uma agenda pessoal.

Mas, do ponto de vista do domaining, estas novas extensões trazem algo novo. Algo que até aqui era muito difícil ter na extensão .com. Premiums! Alguns Domainers vão gastar o que não têm, e pelo caminho vão deixar expirar vários .coms e ccTLDs, só para ter domínios Premium numa extensão.

Isso é engraçado e tal, até pode produzir alguns flippings interessantes, mas já existem tantas provas com outras extensões como esta euforia dá mais prejuízo que rentabilidade, que a pergunta que eu coloco é: quando é que aprendem?

Uma coisa é investir num ccTLD que se perceba a dinâmica da mesma, outra coisa é investir numa extensão genérica que ninguém conhece nem tem qualquer sentimento de pertença, ou até que não faça sentido como domain hack.

Quando estas novas extensões forem criadas, veremos uma fase no Domaining que consiste na total loucura em aftermarket. Tantos e tantos domínios à venda por quase nada, mas compradores…duvido. Gostava de saber quem compra o porn.horse. No meio desta landrush muitas pessoas vão ficar com dividas até ao pescoço e o mais estúpido é que vão deixar cair domínios mais consistentes em extensões já solidificadas no mercado.

Mas, cada um faz o que quer. O grande problema é que neste espaço de tempo em que o aftermarket é inundado de domínios inúteis, vários outros Domainers com portfólios interessantes vão ficar estagnados e muitas pessoas vão ser obrigadas a reter domínios porque o preço vai cair bruscamente. Provavelmente estamos a falar em 2 anos, mas seja como for, depois da euforia seguida de fracasso, dividas, desalento e frustração, eis que o mercado volta a acordar do coma e percebe que estava bem como estava.

Os ccTLDs continuam com o mesmo vigor de reconhecimento e a extensão .com está ainda melhor. Porquê? Simplesmente porque o consumidor de hoje também sabe dizer “LEAVE ME ALONE!”. O hábito é algo que define a raça humana e esse facto não muda só porque as empresas investem milhões a tentar convencer as pessoas do contrário. Se não existe mais valia…não mudam de forma generalizada. Isso faz com que se tenha de pensar já hoje se o plano passa por comprar domínios em extensões fashion, ou extensões que realmente resultam. Qual é a sua opção?

Em Portugal,

A PT Comunicacoes pediu a .meo;

A PT Comunicacoes pediu a .sapo;

No Brasil,

A Globo pediu a .globo;

O NIC.br pediu a .bom;

O NIC.br pediu a .final;

O banco Bradesco pediu a .bradesco;

A Ipiranga Produtos de Petroleo pediu a .ipiranga;

O banco Itau pediu a .itau; ,

A Domain Robot Serviços de Hospedagem na Internet Ltda pediu a .ltda

A Natura Cosméticos pediu a .natura;

A Empresa Municipal de Informática SA pediu a .rio;

A UBN INTERNET LTDA pediu a .uol;

A Telefonica Brasil S.A pediu a .vivo;

Vendo aqui só alguns dos pedidos, faço a seguinte pergunta, a WIPO vai fechar os olhos aos nomes genéricos?

Pense hoje para não pagar a factura de rebranding amanhã.

Fica aqui a opinião. Over and out.

Os nossos leitores também viram:

Como registar determinados ccTLDs

Já se falou em ccTLDs neste blog, mas no decorrer da exploração da internet chegamos todos a um ponto em que queremos explorar novos campos, novos mercados, novos idiomas e consequentemente…novas extensões!

Um ccTLD é um domínio registado numa extensão de um país, por exemplo domainer.pt…tada! Ou seja, a extensão .pt é referente a Portugal e o domínio registado é “domainer”, como tal, o ccTLD é domainer.pt.

O problema com que muitos domainers, e mesmo empresas que querem diversificar o seu público-alvo, se deparam frequentemente prende-se com o facto de certas extensões terem restrições ao seu registo. Já lhe aconteceu querer registar um domínio e não conseguir porque tinha de ser um cidadão nesse país, ter uma marca registada nesse país ou uma empresa também nesse país? É exactamente sobre isso que lhe vamos falar. Hang on!

Mas atenção, não é preciso ser um país para uma extensão ter restrições. A extensão .EU , por exemplo, é restrita aos cidadãos de um Estado Membro da União Europeia. Sinceramente, parece-me um preciosismo desnecessário europeu, mas quanto a isso não há grande coisa a fazer, ou há???

Claro que há.

Se você sempre quis ter aquele domínio de internet, naquela extensão e não conseguiu até agora, pois bem, pense de novo.

Embora normalmente as entidades que gerem as extensões tenham sites próprios para os registos de domínios, estou-me a lembrar agora da dns.cv, também é verdade que muitas delas não lhe deixam registar o domínio porque não está devidamente qualificado para tal.

Com base neste problema, surgiram alguns registrars que ofereciam a solução para que o titular de um domínio tivesse uma presença válida no país da extensão, tornando assim possível o registo do domínio. A Representação fornecida por estes registrars tornou muitos investimentos viáveis e os seus serviços muito úteis, mas existem duas desvantagens:

– serviço lento: registar um domínio com representação não é como registar um .com. Existem condições legais que têm de ser cumpridas e por isso o serviço é mais lento que o normal. Mas sem este serviço também não teria o domínio, por isso vale a pena!

– domínios mais caros: claro, se você recorre a este serviço, é óbvio que poderá contar com domínios mais caros. Existem custos inerentes à criação destes serviço e depois isso reflete-se no preço dos domínios. Mas se me perguntar se prefiro abrir uma empresa num país que não conheço nada (ou registar uma marca), ou então pagar mais um pouco por um serviço de representação…eu diria que o preço da representação até é barato!

Hoje damos a conhecer duas empresas que se dedicaram não só a ccTLDs, como também, a fornecer serviços de representação. Em ambas as empresas terá de ver se a extensão em causa tem representação ou não. Mas a diversidade de extensões em ambas é enorme por isso vale a pena explorar todas as possibilidades.

EuroDNS

É uma empresa europeia que já conheço há muitos anos e que tem qualidade no que faz. Recomendo os seus serviços porque já existe uma experiência anterior. Tem meios de pagamento acessíveis mas não tem paypal. A não ser que já o tenham incluído entretanto, as formas de pagamento são transferência bancária e cartão de crédito.

O suporte é bom e rápido.

101Domain

É uma empresa norte-americana que também já conheço bastante bem e que tem algumas falhas no que respeita ao suporte. É algo estranho, mas o que conta é que os registos são feitos. Simplesmente terá que tomar um xanax ou assim antes de clicar no “live chat support”, caso queira ter suporte imediato e ter muita, mas muita paciência com o operador. Em termos de pagamentos, tem paypal por isso já é uma vantagem.

Lentos mas executam.

 

Se pretende registar ccTLDs que nunca tinha conseguido, então estes dois registrars têm o que você PRECISA! Clique nas imagens para começar a sua aventura nos ccTLDs!

Bons registos!

Os nossos leitores também viram:

Onde procurar por dominios expirados

Todos os domínios de internet têm uma data de expiração. É um dado adquirido que muitas pessoas desconhecem e que por vezes provoca dissabores. Imagine o que seria se um domínio pelo qual deu milhares de euros, onde gastou outros tantos para desenvolver, expirasse e fosse comprado por outra pessoa! Já aconteceu a várias pessoas porque pensaram que aquele email a avisar sobre a expiração do domínio era…spam.

Por esta e outras razões, é sempre bom estar atento aos emails do seu registrar, bem como, vale a pena estar atento às datas de expiração dos mesmos!
Outro facto que muitas pessoas também não sabem, é que os domínios expirados são um mercado à parte que rende milhões de euros aos registrars e outras empresas que se dedicam a este sector de negócios.
Algumas empresas dedicam-se intensivamente a fornecer listas de domínios expirados aos seus clientes, com dados aprofundados sobre o domínio, como por exemplo as visitas que geram no seu estado “expirado” ou quanto as suas keywords rendem no sistema PPC, entre outros factores importantes que levam a que alguns domínios sejam autenticamente leiloados aquando da sua expiração.

Muitos domainers conseguem compras fantásticas neste modelo de negócio, que depois desenvolvem flips muito bons, considerando que um domínio expirado custa bastante menos do que um domínio no sistema de vendas em aftermarket. Mas outras pessoas preferem fazer uma backorder porque pensam que ninguém vai querer o domínio e assim conseguem obter o registo do mesmo sem passar pelo leilão. Por vezes resulta…por vezes não. E muitas das vezes até pagam mais pela backorder do que uma licitação inicial. Tudo se prende com o número de interessados pelo domínio e até quanto estes estão dispostos a pagar no leilão.

Nessa medida, existem vários sites onde poderá procurar e licitar pelos seus domínios. Pessoalmente, não gosto de receber listas que por vezes são infindáveis de domínios que estão a expirar. Mas a realidade é que existem pessoas para este mercado. Estas listas podem ser pagas, como podem ser gratuitas, mas quem as faz normalmente tem um modelo de negócio em que ganha por ser afiliado do registrar onde o cliente vai depois licitar o domínio. É simples e eficaz, como também traz muitas visitas aos seus sites.
Mas fora estas listas que estão espalhadas pela internet, eu prefiro recorrer directamente a registrars, já que todos os dias expiram milhares de domínios. Atrevo-me a dizer que existe um domínio para cada um de nós, só recorrendo a este método.

Mas atenção, em muitos casos mesmo que tenha ganho o leilão, o anterior dono do dominio pode pagar pela sua renovação, pelo que a sua licitação fica sem efeito. Caso isso aconteça, é sinal que afinal aquele email não era spam!

Se estiver interessado em domínios expirados (é uma boa forma de começar um portfólio), pode visitar os seguintes sites:

Leilões na GoDaddy.com
Terá que selecionar o tipo de listagem para “expiring”. Tem várias opções para escolher por isso vale a pena explorar.

Leilões na DynaDot
A DynaDot tem menos domínios na sua lista de expirados, mas também vale a pena investir tempo a pesquisar.

Leilões na SnapNames
É um colosso do mercado de domínios expirados. É bastante difícil vencer um leilão neste site, mas a qualidade dos nomes que estão listados fazem com que valha a pena descobrir as suas listagens.
Existem mais pela internet, mas estes são, na minha opinião, os melhores locais para obter bons domínios a preços baixos.
Divirta-se!

Os nossos leitores também viram:

Quais os diferentes tipos de tráfego?

Depois de colocar o website do seu negócio online é necessário administrar e gerir o mesmo da melhor forma possível, sendo que um dos pontos mais importantes são mesmo as estatísticas e o conhecimento relativamente ao tráfego que chega ao website. Existem diferentes tipos de tráfego, todos eles com as suas características, vantagens e desvantagens, mas todos se tornam importantes para o seu website.

Actualmente existem principalmente 5 diferentes tipos de tráfego para o seu website, no entanto nem todos funcionam da mesma forma, alguns tornam-se muito mais vantajosos e outros têm mais importância para o próprio website, por isso vamos esclarecer aqui cada um deles e permitir que obtenha conhecimentos necessários para gerir as suas estatísticas da melhor forma possível.

Tráfego Directo

Este é um dos tipos de tráfego mais vantajoso e mais interessante para todos os websites, este tipo de tráfego é referente a todas as visitas que chegam ao website de uma forma directa, isto é, que digitam directamente o seu domínio na barra de endereços.

Este tipo de tráfego significa que as pessoas já conhecem o website e tiveram uma experiência tão boa que se lembram do domínio e querem voltar. Sendo assim, este tráfego é composto por visitantes antigos, conhecidos por entrar nos websites atrás de novidades e novas actualizações, no entanto são estes que geralmente compram.

Por isso, apesar de ser do tráfego mais complicado de conseguir, é dos mais vantajosos, já que geralmente significa que o leitor gostou tanto do projecto que está a voltar, mostrando-se interessados por mudanças ou actualizações que possam ter ocorrido.

Outro significado do Tráfego Directo (type in traffic) é do domínio ser directo o suficiente para que uma pessoa procure pela palavra directamente no browser, sem recorrer a um motor de pesquisa. É este tipo de domínio que se chama “Premium” porque no final do dia atrai pessoas sem qualquer custo publicitário, bem como, torna-se uma referência na área em que está incluído e é de fácil memorização.
Exemplo: muitas pessoas que procuram um alergologista na internet, fazem-no directamente pelo browser digitando alergologista.com

Este tipo de tráfego funciona muito bem para marcas já estabelecidas, com um bom capital de marketing, bem como para domínios premium genéricos, sem a necessidade de grande capital de marketing. Percebe agora o porquê da importância de um domínio genérico premium?

Tráfego Redes Sociais

Este é provavelmente um dos tipos de tráfego mais importante nos dias de hoje, isto porque as redes sociais tornaram-se extremamente imperativas para qualquer website, permitindo a divulgação das matérias, o contacto directo com os leitores e ainda a facilidade em encontrar parceiros de negócio e possíveis parcerias extremamente interessantes.

Este tipo de tráfego é muito viral para os websites, principalmente nos casos mais interessantes, já que as pessoas gostam bastante de se tornar sociáveis, mostrando exactamente quais as suas visitas.

Contudo, este é um dos tipos de tráfego com maior bounce rate, isto é, as pessoas entram a partir de publicações partilhadas, lêem o que lhes interessa e acabam rapidamente por sair do website e procurarem outros. No facebook as páginas de fãs e os likes começaram a ter um enorme poder na gestão de tráfego para websites, porém no Twitter acontece o mesmo, com várias sugestões e partilhas dos utilizadores na timeline.

Neste tipo de tráfego o que interessa mais é a questão viral do conteúdo em si, isto é, se chamar a atenção, se for do interesse do leitor e se tiver uma boa mensagem a transmitir, então certamente que vão falar do conteúdo, vão partilhar o mesmo e vão acima de tudo, indicá-lo a outros leitores.

Tráfego dos motores de pesquisa

Este é o tipo de tráfego mais procurado por administradores de websites, isto porque geralmente as pessoas quando chegam aos websites através de pesquisas feitas no Google, Bing ou mesmo Yahoo vão em busca de respostas para uma dúvida ou de informações complementares às já existentes.

Esse é o principal objectivo de um motor de busca, dar respostas às questões colocadas pelos leitores, por isso se os mesmos encontrarem o seu website numa dessas respostas é sinal que o conteúdo é relevante para a pesquisa efectuada. Por isso, os visitantes que chegam ao seu website através de motores de busca tornam-se muito mais valiosos, com um tempo de leitura bastante alto e um bounce rate muito baixo, tornam-se importantes porque além se encontrarem a resposta à sua questão, têm uma enorme tendência a continuar a procurar informação dentro do website, complementando assim as suas respostas.

Cada vez mais as pessoas limitam-se a procurar informação nas primeiras páginas de resultados para uma determinada pesquisa, por isso se o seu website recebe muito tráfego proveniente de motores de busca significa que se encontra nos primeiros resultados e a autoridade do seu website é muito mais alta que os seus concorrentes.

Por outro lado, os visitantes que chegam até ao website através de motores de busca são também conhecidos por se tornarem leitores assíduos, assinantes de feeds e newsletter e até de gerarem uma taxa de cliques em publicidade muito mais alta.

Tráfego por referência

Existem muitos administradores que confundem o tráfego por referência com o tráfego de redes sociais, porém existem algumas diferenças que merecem ser destacadas.

Geralmente quando há uma partilha através das redes sociais, apesar de ser uma referência e de gerar algumas visitas, normalmente não tem o mesmo tipo de interesse por parte do leitor final, mas por outro lado as referências de outros websites para artigos ou mesmo para o index do seu website, pode tornar-se bastante vantajoso, já que mostra que é conteúdo relevante para os leitores e podem tornar muito mais imperativo para os seus visitantes.

Geralmente este tráfego surge de partilhas de informação, de complementos de artigos ou simplesmente de recomendações que podem surgir seja através de links de blogroll (parceiros) ou mesmo no artigo em si.

Tráfego pago

Este é provavelmente o melhor tráfego que o seu website vai receber. Apesar do administrador do website estar a pagar por cada visita que o website recebe, garante que apenas os interessados vão visitar e que geralmente podem escolher qual a página que o leitor vai ver em primeira instância.

Normalmente é este o tipo de tráfego indicado para lançar um website e o mais indicado para quem deseja converter as suas visitas em seguidores assíduos ou mesmo em novos clientes ou oportunidades de negócio. Para conseguir este tipo de tráfego pago o administrador do website poderá comprar publicidade através das Redes Sociais, do Google Adwords, Anúncios Sapo ou mesmo publicidade directa nos websites da área de interesse.

Conclusão

Em jeito de conclusão, existem vários tipos de tráfego existente hoje em dia, todos eles com as suas características e vantagens para o website. O ideal é que um website tenha uma determinada percentagem de todos os tipos de tráfego, porém alguns deles tornam-se muito mais importantes e vantajosos já que convertem muito melhor a nível de negócio e de seguidores atentos.
O tráfego é o petróleo da internet porque a realidade diz-nos que um site pode ser fantástico, mas se não tiver tráfego…não está a ser visto por ninguém.

Deixamos aqui as estatísticas do site dominiodeinternet.com, em termos de fontes de tráfego, no momento em que escrevemos este artigo:

– 56,32%Tráfego direto

– 34,77%Tráfego de pesquisa

– 8,90%Tráfego de referência

Como recomendação de controlo de todo o tráfego do seu website, deixamos aqui o site da Google Analytics como sendo a melhor para este tipo de monitorização. E é grátis.

Os nossos leitores também viram:

  • Sem artigos relacionados

O que são Domain Hacks

Encontrar um bom domínio para o seu projecto pode ser uma das tarefas mais complicadas para a maioria das pessoas, se por um lado é importante que o domínio seja memorável e pequeno, por outro lado a introdução de palavras-chave nos mesmos facilita todo o processo de SEO inerente.

Alguns projectos abdicam dos domínios tradicionais, com palavras chave na sua composição, criando um nome memorizável, curto e bastante fácil de trabalhar a nível de branding. Muitos desses domínios são palavras construídas exactamente para esse efeito, sem grandes significados e construídos a pensar na criação de campanhas de marketing virais que podem ficar no ouvido dos leitores por muito tempo.

Hoje em dia é cada vez mais difícil encontrar domínios interessantes ainda disponíveis, já que são cada vez mais os empresários que se dedicam à procura desses mesmos domínios para posterior venda a interessados internacionais. Por isso, encontrar um domínio interessante e ainda disponível é meio caminho andado para alcançar o tão desejado sucesso que um empreendedor deseja.

Desta forma, há cada vez mais pessoas a procurar domínios hacks, ou seja, possíveis soluções que combinando uma palavra com a sua extensão pode dar um significado interessante ao domínio e com isso contribuir para a memorização fácil do mesmo e para campanhas de marketing extremamente interessantes.

Domain Hack – O que é?

Os domain hacks estão a tornar-se cada vez mais populares, no entanto ainda existem muitas dúvidas relativamente ao que são, às suas vantagens e para que servem exactamente.

Um domain hack permite aos empreendedores a criação de campanhas extremamente virais e com significados bastante específicos. Este tipo de domínios combinam palavras significativas, com TLD’s e subdomínios que em conjunto formam uma expressão extremamente comum e com significados bastante simples que podem ser transformados em slogans, em títulos para websites e até em acções que os leitores vão aceitar muito facilmente.

Em termos práticos significa utilizar de forma inteligente uma palavra em conjunto com uma determinada extensão de domínios. Dado que a maioria dos domain hacks evidentes estão registados, é muita a procura por extensões de outros países em conjunto com palavras em outro idioma para criar expressões bastante interessantes.

Um exemplo inteligente disso é o vai.la ou pesquisa.la, dois websites portugueses que utilizam ccTLD para o Laos, para criar boas estruturas de domínios que vão cativar a atenção do leitor e fazer com que o mesmo se lembre dos urls durante muito tempo.

Vantagens dos domain hacks

Tal como referido anteriormente, a utilização deste tipo de domínios pode ter um sem número de vantagens para alguns projectos.

Uma dessas vantagens é o valor de marketing que possui, sendo uma ideia relativamente recente, ainda existem poucas pessoas a apostar neste tipo de domínios para os seus projectos. Isto porque acreditam que os domínios tradicionais, utilizando extensões mais comuns podem conseguir muito mais dos leitores do que tentando a sua sorte com domain hacks.
Por outro lado, quando um leitor se depara com um domínio como www.vai.la, rapidamente são induzidos para novos conceitos, para elevados níveis que posicionam o projecto e a empresa com uma visão do futuro muito mais interessante que aquelas que apresentam domínios tradicionais e extremamente convencionais.

Este tipo de domínios são bastante interessantes para a criação de publicidade impressa, já que no caso de uma boa escolha de TLD’s e subdomínios, poderá incorporar no seu domínio todas as informações que necessita. Um bom exemplo disso é a criação de uma empresa de aventuras radicais para os mais jovens, utilizando a palavra “turo” como principal, “us” como extensão e “adven” como subdomínio, ficará com o domínio adven.turo.us para criar campanhas extremamente interessantes e que vão ficar na memória dos mais jovens durante muito tempo.

Por outro lado, a optimização para motores de busca é também privilegiada, já que com este tipo de domínios o empresário evita o uso de domínios muito longos ou da utilização de hífen a separar as palavras. Obviamente que o conteúdo do website é que fará toda a diferença, porém a utilização de hífen e domínios muito longos poderá dificultar tudo no que diz respeito à optimização e memorização do mesmo.

Cuidados com os domain hacks

Depois de termos enumerado todas as vantagens de utilização deste tipo de domínios, é imprescindível alertar para os cuidados necessários a ter, principalmente porque no que diz respeito aos TLD’s a usar é necessário alguns cuidados importantes para evitar problemas futuros.

Alguns países possuem uma política de uso de extensões extremamente rígida, o que geralmente implica que as extensões sejam usadas unicamente pelos próprios residentes do país com a necessidade de comprovativo de morada, entre outros requisitos. Isto limitará muito a utilização de determinadas extensões por residentes em outros países, por isso é necessário que antes de comprar um domínio conheça todas as regras relativamente à utilização de uma extensão, senão no futuro terá problemas e poderá perder o dinheiro investido.

Ao comprar um domínio nestas condições, rapidamente poderá tornar-se desvantajoso para os negócios se não tiver o cuidado de verificar os requisitos para a extensão escolhida, já que o domínio pode ser cancelado, o seu website irá ficar offline e poderá perder os clientes que conseguiu através do mesmo, já que terá que procurar outro. Por isso é preferível analisar antes de comprar e fazê-lo apenas quando tiver todos os requisitos preenchidos.

Outra desvantagem associada aos domain hacks é o facto de o utilizador estar já habituado a aceder ao site no browser, utilizando para isso as extensões mais comuns. Neste aspecto, tanto é possível que o utilizador digite “exemp.lo”, ou por força do hábito digite “exemp.lo.com”. Ou simplesmente “exemplo.com”.
Este hábito provoca com que o domain hack faça fugir tráfego type in para um domínio da concorrência.

Conclusão

Os pensamentos fora-da-caixa, ou diferentes do que é tradicional, podem significar um sucesso elevado e exponencial. Por isso, com uma mente brilhante, um planeamento minucioso, alguma pesquisa envolvida e os cuidados necessários, a utilização de um domain hack para o seu negócio pode significar sucesso quase instantâneo e um crescimento exponencial em pouco tempo.

Se por um lado esta utilização ficará na memória de muitos possíveis clientes, por outro lado uma boa utilização pode ser muito vantajosa no que diz respeito á optimização para os motores de busca, já para não falar na facilidade que será a utilização de marketing viral e de campanhas offline.

Se vai lançar um negócio brevemente, pondere a aquisição de um domain hack para o mesmo, contudo faça uma longa pesquisa e estude bem a temática antes de avançar para a compra, evitando problemas no futuro.

Recomendamos também que tente adquirir a versão correcta da palavra na extensão .com e na extensão do seu próprio país (por exemplo .pt para Portugal ou .com.br para o Brasil).

Os nossos leitores também viram:

Facebook: Criar uma página ou uma conta?

Apesar do Facebook ser hoje em dia a rede social com mais poder social e maior número de utilizadores registados, já para não falar que o site site é um dos mais visitados em todo o mundo diariamente, existem ainda muitas dúvidas relativamente ao seu funcionamento e à melhor forma de marcar a presença dentro da rede social em si.

Uma das grandes dúvidas que surgem é a diferença entre a criação de um perfil e de uma página para a apresentação de uma empresa ou negócio na rede social, fazendo assim uso de todas as vantagens que isso implica.

A presença das empresas nas redes sociais é praticamente inquestionável, com tantas vantagens existentes são poucas as empresas que não têm pelo menos uma presença em redes sociais, permitindo assim chegar aos seus clientes de uma forma muito mais eficaz e rápida. Obviamente que esta presença deve ser usada, pela própria empresa, para melhorar a sua relação com os clientes, aproveitando as formas de contacto extremamente eficazes que permitem, ouvindo as suas opiniões e até apostando em marketing online a baixo custo.

Apesar das páginas de Facebook necessitarem de um perfil de utilizador para a sua criação e gestão, os perfis não são os mais indicados para as empresas, principalmente por todas as limitações que trazem (a mais importante é o limite de amigos que cada perfil pode ter, limitando assim o alcance da presença da empresa no Facebook). Assim, o mais aconselhável é que o gestor da página tenha o seu perfil pessoal, que poderá usar para todas as outras actividades pessoais que o Facebook permite, associando assim à própria página da empresa e usando esta opção para toda a promoção da empresa.

Este artigo irá servir essencialmente para mostrar todas as vantagens e características que as páginas possuem, comparativamente aos perfis, tornando-se muito mais úteis para as empresas.

Termos de Serviço

Os próprios termos de serviço que o Facebook apresenta a todos os inscritos diz já isso, isto é, cada utilizador pode ter apenas um único perfil, sendo que este deve ser sempre usado para fins pessoais e nunca comerciais. Por isso, a criação de um perfil comercial para a apresentação de uma empresa, vai contra os termos de serviço que o próprio Facebook implementou, podendo assim ser removido a qualquer momento sem prévio aviso.

Imagine o que é ter um “perfil” da empresa com cerca de 5 mil amigos, certamente que a interacção é fantástica, no entanto dado que não é possível e vai contra os termos do Facebook, poderá perder o mesmo e assim todas as ligações.

Limites

Os perfis, ao contrário do que acontece com as páginas de fãs, têm um limite de amizades pré-definido. Assim, os perfis permitem apenas 5 mil amizades, apesar de ser um número relativamente agradável para grande parte das empresas, é um limite extremamente fácil de atingir.

As páginas de fãs não têm quaisquer restrições no que diz respeito ao número de fãs, podendo atingir milhões que nunca serão limitadas a esse valor.

Administração

Gerir e administrar um perfil ou uma página de fãs é bastante semelhante, porém existem algumas diferenças que merecem ser mencionadas de forma a dar a conhecer as suas vantagens de gestão para os administradores dos perfis das empresas em redes sociais.

Pedidos de Amizade – nas páginas de fãs os pedidos de “amizade”, ou os tão famosos Likes, não necessitam de aprovação, sendo que o administrador não tem que estar constantemente a aceitar as ligações, sendo um acto livre.

Estatísticas – os perfis não têm qualquer ferramenta para análise das estatísticas, porém as páginas de fãs permitem saber quais foram as publicações mais populares, qual a percentagem de fãs de cada país, de cada sexo e de cada idade.

Actualização – a gestão da mesma página por várias pessoas é extremamente fácil, sendo apenas necessário adicionar administradores na secção de gestão da página, não sendo necessário partilhar passwords com outros colegas. Com as novidades que o Facebook apresentou agora, é possível ter vários tipos de administradores, com mais ou menos permissões dentro de cada página.

Agendamento – Uma das novidades deste ano do Facebook é a possibilidade de agendar publicações em páginas de fãs, o que em termos práticos significa que as publicações já não necessitam de uma pessoa 24 horas por dia ligada ao Facebook. Podendo ser agendadas com largos meses de antecedência e nunca falhando.

Personalização

Apesar de hoje em dia as páginas e os perfis terem praticamente a mesma estrutura, a personalização de cada um é completamente diferente.

Nas páginas de fãs é possível editar abas (secções) especiais que podem conter todo o tipo de conteúdo que interessar à empresa. É possível colocar fotografias, vídeos, espaços de discussão, galeria de produtos da empresa, eventos, votações, etc.

Além de tudo isto, é possível criar aplicações directamente na página, que podem complementar todas as necessidades da página em questão e da própria empresa, de forma a conseguir chegar mais eficazmente até aos seus clientes.

Divulgação

Este é um dos pontos mais incoerentes em toda esta comparação de perfis e páginas de fãs. Se por um lado os perfis permitem a solicitação de amizades, por outro lado as páginas de fãs apenas podem esperar que os interessados façam “like” na página.

No entanto, existe uma secção própria na zona de administração de páginas, que permite convidar algumas pessoas amigas do perfil que está associado à pagina para fazer “like”. É ainda possível partilhar a página e as suas publicações, de forma a conseguir cativar a atenção dos utilizadores e a permitir que estes se interessem pelas publicações realizadas.

Conclusão

Em jeito de conclusão, a comparação entre páginas de fãs e perfis de Facebook é completamente desfavorável para os perfis, principalmente se estiver a ser analisada a presença de empresas nas redes sociais.

Apesar da questão da divulgação e das solicitações de amizades ser um dos pontos fortes dos perfis, as páginas de fãs têm inúmeras vantagens e características que se transformam em ferramentas úteis e eficazes para a divulgação das empresas nesta fantástica rede social.

Ou seja, se for uma empresa ou se tiver um negócio que queira divulgar na internet, crie uma página em vez de utilizar a sua conta pessoal! Siga estes passos:

– Crie uma conta pessoal no Facebook (se ainda não tiver uma);
– No lado esquerdo do ecrã, ou no rodapé do Facebook, vá à opção “Criar uma página”;
– Siga os passos que o Facebook lhe indicar;
– Está pronto a divulgar a sua página, podendo fazer a partilha da mesma com a sua conta pessoal, ou utilizar a ferramenta de compra de anúncios para a página em “Criar Anúncio” (também no rodapé do site).

Os nossos leitores também viram:

  • Sem artigos relacionados

Como fazer um site gratuitamente

WordPress vs Weebly vs Wix vs Jommla vs Blogger

O tempo em que a Internet era apenas para iluminados e pessoas com um vasto conhecimento técnico não existe mais, com tantas ferramentas e opções existentes online, hoje em dia é possível ter um website online, com poucos custos e sem a necessidade de grandes conhecimentos.

Hoje em dia existem ferramentas e sistemas extremamente populares, que fazem as delícias de todo o tipo de utilizadores, se por um lado os que possuem grandes conhecimentos técnicos conseguem assim agilizar todos os processos e garantir menos custos associados, por outro lado os utilizadores sem conhecimentos conseguem evitar a contratação de outros profissionais, podendo mesmo ser os próprios a lançar os seus websites através destes.

Este tipo de crescimento e mudanças é muito por culpa dos sistemas SGC, isto é, sistemas de gestão de conteúdos, ou como muitas vezes são reconhecidos por CMS, em inglês, Content Management Systems. Este tipo de sistemas são cada vez mais usados, com a criação de um front end com base em themes pré-definidos e completamente alteráveis, um back office extremamente bem organizado e que permite a publicação de conteúdo em websites sem necessidade de entrar no código, isto é, sendo apenas necessários conhecimentos básicos na óptica do utilizador, principalmente na edição em formato de texto.

Obviamente que ainda existem necessidades extremas para a criação de um design e código de raiz, criando assim plataformas e projectos que vão ao encontro do pretendido pelo cliente. Contudo, para a maioria dos utilizadores, este tipo de sistemas é o suficiente para lançar o seu projecto online, recorrendo a plataformas pré-feitas e com objectivos em concreto.

Com tanta adesão por parte dos utilizadores nos últimos anos, surgiram plataformas variadas e com características distintas, todas elas gratuitas (ou pelo menos com uma versão gratuita), usando linguagens semelhantes, como PHP, XML, HTML, XHTML e CSS enquanto posteriormente tudo é integrado com banco de dados MySQL. Os layouts dos websites que utilizam estas plataformas são bastante modernos, podendo ser usados alguns gratuitos, disponíveis pelas próprias plataformas ou adquirindo novos designs pagos, feitos por profissionais recomendados.

É ainda importante salientar que todas estas plataformas garantem e permitem o anexo de plugins, recursos extra e addons que têm como objectivo deixar o seu website perfeito, seja do ponto de vista do leitor ou da administração. Existem vários tipos de anexos que podem ser utilizados para finalidades distintas, seja para criar carrinhos de compra, formulários de contacto ou simplesmente tabelas de preço.

Nos dias de hoje existem várias destas plataformas, porém vamos deixar-vos aqui uma descrição e esclarecimento sobre algumas delas, nomeadamente WordPress, Weebly, Wix, Jommla e Blogger. No final, iremos comparar todas as opções e tentar descrever quais os melhores para cada uma das utilizações possíveis por parte dos utilizadores.

WordPress

O WordPress é um dos CMS mais populares nos dias de hoje, sendo um sistema de gestão de conteúdos que permite a criação de vários tipos de websites, é conhecido pela sua estabilidade, modernidade e pela grande oferta que existe no que diz respeito ao layout.

Esta é provavelmente a plataforma mais usada nos dias de hoje para a criação de websites, sendo grátis tornou-se uma excelente aquisição para a maioria dos webmasters que procuram os caminhos mais curtos para atingir um nível profissional e de sucesso. Por outro lado, o seu backoffice é extremamente simples de ser usado, já para não falar da instalação que requer apenas alguns minutos. Para os motores de busca, SEO, é também bastante útil, já que com a instalação certa de plugins necessários, torna-se muito fácil de optimizar um website para um bom posicionamento nos motores de busca.

Por último, mas não menos importante é importante referir o grande número de funções e funcionalidades que podem ser implementadas nestes sistemas, desde estatísticas, passando por publicidades, carrinhos de compras, montras, etc. Com a utilização certa de um template grátis que a própria plataforma disponibiliza aos interessados, pode-se criar um website de excelente qualidade, com base num sistema gratuito, em apenas algumas horas, ao contrário do que acontecia quando os programadores demoravam imensas horas para criar um código de origem para um website.

Esta plataforma permite que qualquer pessoa com os mínimos conhecimentos possam actualizar o seu website, com a inserção de conteúdo, imagens e até vídeos em poucos minutos. É ainda possível enviar conteúdo através de e-mail, o que em termos práticos torna-se extremamente vantajoso para momentos em que não existe possibilidade de aceder ao website por algum motivo específico.

Weebly

Este é mais um sistema que tem feito as delícias dos utilizadores da internet dos dias de hoje, com uma enorme facilidade para a criação de websites de layout bonito, traduz-se numa das ferramentas mais usadas por quem procura soluções rápidas, grátis e de qualidade para lançar os seus websites.

O Weebly permite a construção de um website muito facilmente, sem necessidade de grandes conhecimentos acançados, além de estar ainda associado ao alojamento de websites gratuito, permite que o utilizador possa construir o seu website a partir do zero, com um construtor de websites bastante simples, caracterizado pela possibilidade de arrastar e soltar todos os componentes do website que deseja anexar.

O sistema permite ainda mudar o visual do seu website entre 100 temas profissionais diferentes, todos eles cheios de qualidade e com as características necessárias para elevar o seu negócio a outro nível. Existem ainda milhares de recursos multimédia que o utilizador pode usar, desde áudio, vídeo e imagem, além da ferramenta lógica de blogging que é extremamente fácil de ser usada, com a mesma tecnologia de arrastar e soltar que a construção do website em si.

O utilizador poderá ainda utilizar um serviço de alojamento de alta capacidade, com bastante espaço disponível, um suporte ao cliente bastante eficaz e uma infra-estrutura bastante confiável para a maioria dos utilizador. É necessário destacar que este sistema permite ainda a utilização de um iPhone para a gestão e actualização dos websites, com um layout de backoffice criado especialmente a pensar neste tipo de utilização, torna tudo muito mais simples para os utilizadores mais exigentes que necessitam de estar constantemente em contacto com o seu website.

Wix

Este é um sistema gratuito, apesar de também ter uma versão paga para os mais exigentes, para a criação de websites baseados na linguagem Flash, criando assim websites de qualidade e com um design bastante atractivo.

O utilizador pode escolher entre cerca de 100 templates gratuitos e extremamente profissionais, podendo posteriormente ter acesso a um painel de controlo que irá permitir a personalização e mudar praticamente todos os elementos existentes, desde animações, textos, músicas, vídeos, slideshows, etc.

Esta plataforma tem ainda uns serviços extra, pagos, que fazem as delícias dos utilizadores: desde uma galeria de imagens com acesso a centenas de imagens e animações prontas a ser utilizadas no seu website, um suporte 24 horas por dia e 7 dias por semana e a possibilidade do utilizador adquirir o seu próprio domínio e serviço de alojamento. Todos sabem a importância que um domínio tem para um negócio, o que nem sempre é possível com este tipo de plataformas, porém a Wix quer deixar essa escolha por parte do utilizador, sendo possível usar um serviço gratuito e limitado, ou um pago e com extras.

Joomla

Joomla é um dos sistemas de gerenciamento de conteúdo grátis, provavelmente o mais conhecido entre os utilizadores da Internet profissionais, já que foi dos primeiros sistemas a ter o sucesso desejado pelos seus criadores. Com qualidades que deixam qualquer utilizador cheio de vontade de criar websites de qualidade, permitem que utilizadores sem qualquer tipo de conhecimentos de programação possam lançar os seus projectos online sem dificuldades.

Esta plataforma é baseada em templates e módulos, enquanto que os templates permitem que os utilizadores escolham o layout e design que desejam imprimir aos seus websites, os módulos garantem o adicionamento de funcionalidades e funções específicas que são extremamente procuradas nos dias de hoje.

No entanto, sendo esta uma plataforma com bastantes recursos e com uma longa história no mundo online, a sua instalação e costumização não é tão simples como as outras apresentadas. Esta requer a instalação directamente no servidor, o que implica também alguns conhecimentos básicos para o fazer, no entanto a gestão de conteúdos e a mudança de módulos e ajustes de pormenores são relativamente simples, o que faz com que muitos utilizadores tenham a vontade de aprender necessária para ter um website em Joomla, pois posteriormente tudo se torna mais simples.

Este é um serviço grátis, perfeitamente personalizável e que permite a criação de websites de qualidade e cheios de funcionalidades específicas, contudo é um serviço que requer alguns conhecimentos básicos e a aquisição de um serviço de alojamento, pois apenas depois da plataforma estar instalada directamente no servidor é que se torna possível proceder à sua costumização.

Blogger

O Blogger, ou como foi conhecido durante imensos anos Blogspot, é um serviço de criação de blogs extremamente seguro e fácil de usar, oferecido pela grande Google, o que por si só apresenta todas as qualidades anexadas.

É extremamente simples de conseguir criar um blog nesta plataforma gratuita, sendo apenas necessário proceder ao registo de um nome para o mesmo, com os dados pessoais do utilizador, chegando depois ao painel de controlo onde é possível personificar todos os elementos.

Esta plataforma tem os seus próprios servidores, ou seja, o utilizador não necessita de qualquer custo adicional para proceder à criação do website, sendo apenas necessário salientar que todo o serviço é gratuito e por isso têm que existir contrapartidas para o utilizador, como é o caso da utilização de um url dentro da plataforma, mas que facilmente pode ser modificado com o redirect para o seu domínio pessoal.

Esta é uma plataforma muito direccionada para os websites em formato de blog, contudo, existem templates gratuitos que a mesma disponibiliza, que rapidamente podem transformar completamente o layout e design do website, tornando-o muito mais profissional e com o anexo dos widgets perfeitos, é possível criar websites bastante interessantes e com uma facilidade enorme.

Vantagens dos CMS

Depois de apresentar várias propostas de CMS existentes no mercado, é importante apresentar as vantagens da sua utilização para os utilizadores mais comuns. Se por um lado são excelentes para profissionais que procuram alternativas às várias horas ligados à criação de design e código para a implementação de diversos websites para clientes, por outro lado, utilizadores comuns e sem conhecimentos técnicos, podem criar os seus websites com uma enorme facilidade, com um design extraordinário e com a possibilidade de actualizar os mesmos através dos seus painéis de controlo extremamente fáceis de usar.

Diminuição de custos – esta é provavelmente a vantagem mais importante para a maioria dos utilizadores, com o recurso a um CMS grátis, não é necessário arriscar milhares de euros em projectos online que mais tarde podem vir a não dar qualquer tipo de rendimento extra. Com estas plataformas não é necessário conhecimentos avançados, portanto o recurso a profissionais é praticamente dispensável.

Recursos Disponíveis – por serem plataformas mundialmente famosas e cada vez mais utilizadas, existem cada vez mais profissionais e utilizadores a criarem recursos que vão melhorar os resultados nos websites, seja através de funcionalidades específicas para a apresentação ao cliente, ou mesmo ferramentas que vão melhorar o desempenho do website em si.

Actualização – provavelmente um dos factores mais importantes dos CMS é a possibilidade de actualização dos websites em apenas alguns segundos, não sendo necessário entrar directamente no código como era necessário antes do seu surgimento. Existem ainda plataformas que permitem actualizações por outras ferramentas móveis ou por e-mail, o que em termos práticos é extremamente vantajoso nos dias de hoje.

Segurança – sendo estas plataformas cada vez mais usadas, existe um especial cuidado no que diz respeito à segurança das mesmas, evitando assim ataques desnecessários e que mais tarde podem vir a trazer problemas para os websites e para os próprios utilizadores que os visitam.

SEO – os motores de busca estão cada vez mais exigentes, por isso estas plataformas vêm já equipadas com todo o tipo de necessidades de optimização mais básicas, sendo posteriormente possível definir meta tags, descrições e outras necessidades para tornar o SEO do website ainda mais poderoso.

Comparação dos CMS

Com tanta adesão por parte dos utilizadores aos vários sistemas de gestão de conteúdos gratuitos, existem cada vez mais opções, com características distintas e funcionalidades personalizáveis a operar no mercado.

Obviamente que cada opção tem as suas vantagens e desvantagens, sendo da responsabilidade do utilizador escolher aquela que melhor se adapta às suas necessidades e que mais rapidamente satisfaz os seus desejos de sucesso para a criação de um website.

Neste artigo enumeramos e descrevemos aqueles que mais utilização têm nos dias de hoje, sendo que cada um deles tem as suas próprias características e mesmo assim existe uma enorme adesão por parte dos utilizadores de todo o mundo, já que permitem a criação de websites variados, com funções específicas e linguagens também diferentes. Alguns são totalmente gratuitos, outros podem necessitar de planos pagos para alguns extras e outros requerem mesmo um servidor próprio para a sua utilização, o que em termos práticos vai definir logo qual o tipo de utilidade que cada um tem.

Existem critérios de comparação que são essenciais para apresentar as oportunidades aos nossos leitores, no entanto destacamos os mais importantes:

Facilidade de Instalação e Costumização
Facilidade de Uso
Possibilidade de configurar vários tipos de websites
Segurança
Suporte a Utilizadores
Ampliação do Website

Facilidade de Instalação e Costumização

No que diz respeito à instalação das plataformas apresentadas, grande parte delas é extremamente simples, sendo apenas necessário o registo na própria plataforma para começar a usar a mesma. Contudo, WordPress e Joomla têm um tipo de instalação diferente, apesar do WordPress ser possível usar de forma totalmente gratuita, permite também a sua instalação dentro de um servidor e o uso de ferramentas muito mais complexas.

No entanto, a sua instalação demora apenas alguns segundos, assim como a sua configuração, o contrário acontece com a plataforma Joomla que necessita de conhecimentos um pouco mais avançados. Contudo, existem já ferramentas específicas instaladas no próprio cPanel que permitem agilizar todo este processo, apesar de não serem extremamente recomendadas pelos profissionais, são uma óptima solução para quem não possui os conhecimentos necessários.

Facilidade de Uso

Todas as soluções apresentáveis são extremamente fáceis de usar, com um painel de controlo simples e bem estruturado, permitem que os utilizadores possam modificar o layout, adicionar funcionalidades e actualizar o website em apenas alguns segundos.

Os painéis de controlo variam de plataforma para plataforma, contudo com apenas alguns segundos de habituação é extremamente fácil de usar qualquer uma delas. O mais amigável e com uma estrutura mais simples de usar é sem dúvida alguma o WordPress, com milhões de utilizadores em todo o mundo, percebe-se facilmente que em apenas alguns segundos é possível mudar o layout, adicionar funcionalidades, actualizar com texto, imagens e vídeo.

Possibilidade de configurar vários tipos de websites

Esta é uma das características mais procuradas pelo utilizador comum, já que é esta que permite que de uma plataforma tipicamente conhecida como ideal para blogs, pode-se criar websites de vendas de produtos, montras de produtos, apresentação de portfólios e etc.

O Joomla é sem dúvida a plataforma mais completa e ao mesmo tempo complexa, já que com os seus módulos extra permite que praticamente todo o tipo de websites sejam feitos de raiz em pequenos minutos. O mesmo acontece com o WordPress, que através da instalação de scripts personalizados e de themes complexos, apresentam vários tipos de websites de qualidade, sempre com o mesmo backoffice simples de usar.

O Wix e Weebly são conhecidos entre os utilizadores pela criação de websites institucionais, isto é, ideias para apresentação de empresas e produtos na Internet. Enquanto que o Blogger é mundialmente famoso pela criação de blogs de qualidade, usado em todo o mundo como uma das melhores plataformas, competindo directamente com o WordPress que é também indiscutivelmente dos melhores CMS para blogs.

Segurança

No que diz respeito à segurança de todas as plataformas mencionadas, não existe grande tema de comparação, já que todas elas têm uma excelente segurança o que dá aos utilizadores a confiança necessária para escolherem uma delas para a criação dos seus websites. Convém sempre ter as versões dos softwares actualizados, seja a plataforma em si, os addons, plugins, etc.

Suporte e Utilizadores

No que diz respeito à comunidade e ao suporte que cada uma das plataforma possui, é importante relembrar que todas as apresentadas aqui têm milhões de utilizadores. Contudo, umas são mais recomendadas por outras, umas têm mais complexidade que outras e umas têm comunidades de apoio maiores que outras.
Como é de prever, Blogger, WordPress e Joomla são as que têm os melhores suportes e o maior número de utilizadores, o que em termos práticos significa uma grande comunidade a trabalhar para o mesmo objectivo, com recursos infindáveis e cada vez mais recentes e uma ajuda entre utilizadores que é de louvar.

Ampliação de Website

Esta é uma das características mais importantes para a maioria dos utilizadores, com a possibilidade de aumentar, ampliar e modificar um website, os utilizadores têm sempre a ambição de continuar a construir mais e mais, apresentando projectos excelentes.

Algumas plataformas permitem comprar planos pagos, adicionar módulos e widgets diferentes, o que em termos práticos é vantajoso para quem está a criar um projecto de renome.
Tendo em conta estas características, WordPress e Joomla são possivelmente as melhores opções para quem deseja ter a possibilidade de ampliação do seu website.

Conclusão

Em jeito de conclusão, as plataformas aqui apresentadas são todas de excelente qualidade, apesar de algumas serem mais famosas que outras, é importante destacar que todas elas têm inúmeros recursos, milhões de seguidores e milhares de utilizações a cada dia que passa.

São plataformas que vieram revolucionar o mercado dos websites e particularmente a Internet, dando a possibilidade a utilizadores sem conhecimentos técnicos, administrarem e gerirem os seus próprios websites, sem qualquer tipo de dificuldade.

No que respeita aos domínios de internet, é de salientar que algumas plataformas são gratuitas porque os utilizadores são obrigados a recorrer a um sub-dominio da empresa que gere a plataforma. Por exemplo, se quiser ter um alojamento gratuito na wordpress terá que utilizar um sub-dominio como “asuaempresa.wordpress.com”, o que depois limita o seu projecto a longo prazo.
Sugerimos que se quiser cortar custos, utilize o sub-domínio da wordpress, mas que compre um domínio próprio e faça um forward ao mesmo para o seu site wordpress. Depois, e já com rendimentos vindos do seu site, adquira um alojamento próprio e faça a migração do sub-domínio para o seu alojamento porque o wordpress funciona independentemente da localização do seu alojamento.
Contas feitas, no dia de hoje é possível ter o seu site alojado no seu próprio servidor, com o seu próprio domínio e utilizar um CMS, por volta dos 25€/Ano. Ou então utilizar um serviço limitado…mas gratuito!

Os nossos leitores também viram:

Adwords vs Facebook Ads vs Banners em Sites

Um dos principais objectivos da criação da Internet era o livre acesso à informação e a partilha da mesma em apenas alguns segundos, com o mundo inteiro. Inicialmente o seu uso foi meramente informativo, passando apenas por instituições educacionais e governos, posteriormente foi adaptada a empresas e a outro tipo de utilizadores que começaram a usar de formas variadas, criando a rede actual que temos acesso nos dias de hoje.

Obviamente que com isto veio a grande popularidade da rede, intimamente ligada à possibilidade de criar publicidade rapidamente, fazendo com que esta chegue a um grande número de pessoas, muitas vezes com custos realmente reduzidos. Por isso, as empresas começaram a olhar para a Internet como um parceiro de negócio, aliando o seu crescimento, com as novas ferramentas disponíveis, chegando assim a um maior número de potenciais clientes.

Inicialmente, a publicidade online não tinha o mesmo tipo de credibilidade que a publicidade offline, muito por culpa dos fracos conhecimentos sobre marketing online que os especialistas tinham. Contudo, a evolução era imprescindível, existindo cursos específicos para formar profissionais na área, criando assim todos os conhecimentos necessários para alavancar todas as campanhas de empresas, podendo até muitas vezes substituir os meios tradicionais para chegar aos clientes.

Tal foi o forte crescimento que a publicidade teve nos últimos anos, que muitos especialistas chegaram mesmo a afirmar que outros tipos de publicidade iriam ser irradiados e provavelmente todo o marketing seria feito utilizando a Internet. Contudo é importante lembrar que a Internet é apenas uma das ferramentas existentes para chegar ao seu objectivo, sendo necessário aliar esta ferramenta a outras para conseguir alcançar o sucesso.

Hoje em dia existem várias formas de publicitar negócios online, seja através de publicidade directa (com o principal objectivo de conseguir visitantes imediatos, mas que nem sempre se tornam fiéis) e a publicidade indirecta (com o objectivo de atingir os motores de busca, chegando aos primeiros lugares e com efeitos muito mais duradouros). Cada negócio deve escolher o tipo de publicidade que se adequa mais aos objectivos no momento, por isso hoje vamos apresentar-vos aqui três opções de publicidade, assim como a comparação entre essas opções: Adwords vs Facebook Ads vs Banners em Websites.

Vantagens da publicidade online

Depois de termos falado superficialmente sobre as vantagens de publicitar algo online, vamos agora enumerar e descrever cada uma dessas vantagens.

Focalização – com a publicidade online é possível escolher exactamente quais são os utilizadores a receber essa publicidade, direccionando por gostos ou interesses, fazendo assim com que se tornem muito mais eficazes.

Interactividade – geralmente as campanhas permitem sempre que os utilizadores interajam com o anúncio, seja através de acções, comentários ou partilhas, por isso vão conseguir muito mais atenção por parte da maioria dos utilizadores interessados.

Monitoramento – com as campanhas online é muito mais fácil de conseguir monitorizar os resultados, chegando às taxas de sucesso e insucesso mais rapidamente, o que permite mudanças ainda mais eficazes e rápidas.

Flexibilidade e custos – fazer ajustes e mudanças pode tornar-se ainda mais simples, aliando a um custo muito inferior, é possível lançar, actualizar, alterar ou cancelar uma campanha em poucos minutos.

Anunciar com Adwords

As campanhas de anúncios pagos feitas através do Google Adwords permitem chegar até um grande número de potenciais interessados, por preços realmente baixos e com resultados muito interessantes. As características destes anúncios são bastante importantes para os empreendedores, já que os gastos são apenas relativos ao interesse dos utilizadores.

Em termos práticos, é possível definir exactamente quando quer gastar por dia ou período de tempo, já que estes anúncios são pagos apenas quando o utilizador clica no anúncio, mostrando assim interesse em saber mais sobre a campanha, a empresa ou o produto em questão. Obviamente que a atenção do utilizador vai depender muito do texto usado, escolhendo muito bem as palavras e frases nos anúncios, é possível chegar a um grande número de utilizadores que se tornam fiéis.

Estes anúncios, surgem não só nos resultados das pesquisas para as palavras-chave indicadas nos anúncios, como também em websites de empresa ou portais de entretenimento que contenham publicidade da Google, Adsense.

Este tipo de publicidade é dos mais importantes para as empresas, com custos muito reduzidos, permite restringir e centrar o aparecimento da publicidade para um tipo de público, a sua eficácia é muito maior, ao contrário do que acontece com outros tipos de publicidade que não tem qualquer tipo de restrições. É ainda possível alterar ou cancelar a campanha a qualquer momento, conhecendo sempre todas as estatísticas através de ferramentas disponibilizadas pelo serviço, chegando assim ao sucesso tal como anseia.

Anunciar no Facebook

As redes sociais vieram para ficar, com milhões de utilizadores a visitarem diariamente as suas páginas, milhares de utilizadores novos diariamente, empresas a criarem páginas de negócios e um grande volume de informação a ser partilhada a cada segundo.

Com tanta adesão às redes sociais, com o principal destaque para o Facebook, era de esperar que empreendedores vissem nele uma excelente opção para divulgar produtos, serviços e empresas. Com a possibilidade de direccionar a publicidade por gostos, características do utilizador ou simplesmente abrangendo uma área geográfica pre-definida, as Facebook Ads tornaram-se extremamente populares nos dias de hoje.

Existem duas formas de publicitar no Facebook, dependendo do tipo de publicidade, pode conseguir resultados muito diferentes uns dos outros. Um deles tem como principal objectivo tornar os utilizadores fãs de uma página específica (sendo que apenas é pago quando o utilizador se torna fã), enquanto que outro tipo de publicidade é pago ao clique, podendo esse ser convertido em “gosto” ou não. Ambas as opções têm vantagens, porém é importante reconhecer qual o retorno esperado da campanha, pois para conseguir bons rendimentos é necessário escolher bem as opções.

Neste tipo de campanhas é possível definir um sem número de focos, isto é, não só é possível chegar a um tipo de utilizadores, como também é possível centrar os anúncios em localizações geográficas, faixas etárias, idiomas, etc. Para conseguir atingir o seu objectivo é importante colocar em prática várias regras aplicadas não só à campanha em si como à concorrência, já que más técnicas e campanhas podem resultar em gastos desnecessários.

Anunciar em Websites

Com a popularidade da Internet, são milhares os websites que surgem diariamente, sobre os mais variados temas. Uns mais informativos, outros mais comerciais e outros simplesmente de entretenimento, por isso anunciar em Websites tornou-se uma excelente ideia para alguns dos negócios.

Este tipo de publicidade é conhecida como “publicidade directa”, já que é da responsabilidade do empreendedor contactar com os administradores dos websites para saber a possibilidade de colocar lá alguns anúncios. Se por seu lado se torna muito mais cansativo e trabalhoso, para alguns casos pode ser uma das melhores opções. Encontrando um website com uma temática dentro do anúncio que quer fazer, com preços em conta, poderá chamar a atenção de utilizadores que de outra forma não era possível.

Nestes casos a publicidade é paga de diversas formas. Alguns utilizadores permitem o pagamento mensal, independentemente do número de cliques feitos, ou seja, não existindo limitação de vezes em que potenciais interessados sigam a publicidade e se tornem fiéis. Por seu lado, este tipo de publicidade é considerada por muitos como inconstante e imprevisível, já que não existindo uma focalização de interessados, não é possível prever quantas dessas visitas se vão tornar clientes, interessados ou potenciais parceiros.

A grande vantagem deste tipo de publicidade são os preços, tendo em conta o número de visitas dos websites, com o número de cliques feitos na publicidade, é possível conseguir manter um anuncio durante um mês inteiro num portal de grandes dimensões, por preços realmente baixos. Contudo, para conseguir chegar até aos grandes portais nacionais, será necessário despender de algumas centenas de euros, já que nestes casos são muitos os concorrentes a tentar anunciar e os preços podem subir exponencialmente.

Adwords vs Facebook Ads vs Publicidade Directa

Com tantas opções para publicidade online, é importante conhecer muito bem cada uma delas antes de fazer escolhas, já que uma má escolha pode significar gastos desnecessários que lhe vão trazer um afastamento directo com a conclusão do seu objectivo principal.

Depois de termos apresentado, descrito e analisado cada uma das opções acima mencionadas, era necessário acompanhar uma comparação directa entre as várias opções, já cada uma delas tem as suas próprias características, conseguindo assim elucidar os interessados a fazerem a sua escolha da melhor forma possível.

No caso da plataforma Adwords, os anúncios são apresentados em vários formatos e tamanhos, podendo ser apenas em texto ou em imagens, dando assim muito mais liberdade de escolha para a realização de uma campanha memorável e que chame a atenção dos utilizadores. Estes anúncios vão surgir em vários websites, aumentando assim a probabilidade do seu anuncio ser visto e de resultar em cliques e consequentes vendas.
No caso das Facebook Ads, os anúncios têm apenas um formato, sendo constituídos por uma pequena imagem, título da campanha e um texto breve de apresentação. Contudo, estes anúncios aparecem apenas na zona lateral do Facebook, o que em termos de abrangência é muito menor.

Apesar de não existir um melhor que outro, é necessário comparar estas duas opções, já que são as mais procuradas nos dias de hoje. É necessário entender que cada uma das opções é indicada para determinada campanha e tipo de negócio. Se por um lado o Adwords surge em pesquisas no Google e em websites que contenham as palavras-chave indicadas no anúncio, por outro lado as Facebook Ads podem ser direccionadas para um determinado tipo de utilizadores, mas surgem apenas na plataforma e por isso estão limitadas aos utilizadores da rede social.

Comparativamente, a publicidade directa é conhecida como uma “venda personalizada”, isto é, escolhendo quais os websites onde vai ser colocada a publicidade, aliando sempre a uma mensagem cativante e uma imagem interessante, é possível redireccionar todos os visitantes do website para o seu anúncio e com isso conseguir atingir o seu objectivo. É conhecida como venda personalizada porque apesar de estar disponível para todo o tipo de utilizadores, independentemente da sua localização geográfica, faixa etária, gostos pessoais, etc., permite que apenas os interessados na campanha possam entrar na mesma através do banner publicitário.

A nível de custos, todas as opções têm as suas próprias características de custos, porém especialistas afirmam que quando as regras são bem aplicadas, é possível anunciar quer no Adwords ou Facebook Ads, com um custo relativamente baixo, ao contrário do que acontece na publicidade directa que muitas vezes pode chegar aos milhares de euros por mês.

Conclusão

Em jeito de conclusão, as três opções aqui apresentadas são provavelmente as mais importantes e eficazes para quem deseja anunciar na Internet, contudo é imprescindível escolher muito bem a plataforma, para que os resultados sejam realmente os desejados.

Em primeiro lugar é importante questionar sobre o tipo de público-alvo que deseja alcançar. Isto é, se o seu objectivo é centrar os anúncios em apenas uma determinada parte da população, com gostos e características específicas, então o melhor é mesmo optar pelas Facebook Ads. Encontrando as melhores condições que esta plataforma permite, é possível optimizar um anúncio para se tornar muito rentável a longo prazo, conseguindo novos fãs para uma página, ou simplesmente novas visitas para o seu website que podem resultar em vendas.
Se o objectivo é chegar a todo o tipo de pessoas, através dos gostos pessoais deles ao entrarem em determinados portais, então a publicidade directa pode ser a melhor opção. Nestes casos aconselhamos sempre a conhecer o portal muito bem, conhecer o público e o nível de visitas. Os preços praticados nestes casos podem estar definidos por clique, por mês ou por visualizações, dependendo claro de quem está a oferecer o espaço para publicitar.

Por último, mas não menos importante, se o seu objectivo é direccionar o seu anúncio para todas as pessoas que fazem pesquisas no Google ou que se interessam por um determinado tema em outros portais que contenham publicidade do Google, então o Adwords pode resultar muito bem para a sua campanha. Neste tipo de publicidade os custos podem ser um pouco mais elevados, já que estão a competir com centenas de concorrentes e isso pode implicar ter que subir o orçamento para os ultrapassar nos resultados apresentados.

Em suma, escolher a melhor opção para anunciar na Internet pode ser fulcral para atingir o seu objectivo. Mas, todas as opções se podem vir a tornar vantajosas, não só pela facilidade de uso, como também pelos preços praticados que permitem lançar campanhas, alterar as mesmas e cancelar em poucos segundos, o que em termos práticos significa uma melhor e mais eficaz gestão de marketing.

Os nossos leitores também viram:

  • Sem artigos relacionados

O que é a Cloud?

A Internet está conscientemente e constantemente em evolução, por isso são muitos os recursos, serviços e funcionalidades que vão surgindo de forma a melhorar todo o processo, navegação e até interactividade entre Internet e utilizadores com vários níveis de conhecimentos. Um dos recursos mais falados nos últimos tempos e que profissionais acreditam que seja indispensável num futuro próximo, é a Cloud, extremamente útil para pessoas e empresas.

O principal objectivo deste recurso é garantir uma economia muito maior, ao mesmo tempo que transformam o seu servidor em algo mais adequado às necessidades de cada utilizador. Com este recurso o utilizador terá muito mais segurança com os seus websites, mas ao mesmo tempo não necessitam de adquirir serviços extra de elevados valores, sendo apenas necessário aumentar ou diminuir a sua “parte” da nuvem (cloud) da forma que mais lhe convém.

O que é a Cloud?

O termo Cloud significa nuvem em inglês, no entanto em termos práticos esse foi o nome dado a um conjunto de servidores, discos rígidos e características que fornecem milhares de serviços de alojamentos. Este nome surgiu depois de profissionais compararem este recurso com a atmosfera, já que o utilizador poderá utilizar os serviços da forma que mais se adequa às necessidades, apesar de não existirem limites, como acontece com a atmosfera.

Em termos práticos, a Cloud é um espaço com vários servidores, cada um deles com os seus processadores, discos rígidos e memórias, sendo que a capacidade total desse espaço é denominado de Cloud. O utilizador em si, recorre a uma empresa de alojamento para alugar uma “fatia” desse mesmo espaço, não necessitando de se cingir aos planos pré-definidos, podendo assim adaptar o mesmo às suas necessidades. A grande novidade veio ainda na forma como a “nuvem” encara as falhas, isto é, há sempre o dobro dos recursos que se encontram em espera para o caso de algo falhar, permitindo assim que o servidor use outro recurso em substituição instantânea, evitando a interrupção do serviço, mantendo o seu website sempre online e sem quebras.

Tipos de Cloud existentes

Apesar de termos falado apenas na questão dos servidores para colocação de websites online, existem vários tipos de cloud existentes actualmente, usando várias tecnologias e características distintas.

Public Cloud – este é o serviço mais comum, podendo ser utilizado dinamicamente pela Internet, usando softwares e aplicações específicas, sendo sempre administradas por uma entidade competente e com as características necessárias.

Private Cloud – como o próprio nome indica, é um serviço que é acedido apenas por uma número limitado de pessoas, geralmente este serviço está associado a uma empresa ou organização, já que é possível reter dados no espaço, permitindo que apenas alguns funcionários possam ter acesso. Este serviço permite a utilização de passwords para garantir total segurança.

Hybrid Cloud – combinação de public e private cloud, onde a empresa é a detentora de uma parte da estrutura e serviço, enquanto que outros recursos são partilhados controladamente pela própria empresa.

Community Cloud – um recurso que permite que várias organizações ou empresas com o mesmo tipo de exigências e necessidades usem a mesma infra-estrutura ou os serviços em si.

Vantagens e Desvantagens da Cloud

Sendo este um recurso relativamente recente, é importante chamar a atenção dos utilizadores para todas as vantagens e desvantagens da sua utilização, garantindo assim que estes têm a informação necessária para fazer a escolha acertada para as suas necessidades.

Vantagens

– este é um serviço que agrada à maioria dos utilizadores, desde as pequenas necessidades até aos recursos avançados, garantem confiança e disponibilidade.
– outro factor que funciona como uma das principais vantagens é o seu custo, já que a nível de investimento torna-se muito mais lucrativo investir num recurso destes do que propriamente num alojamento tradicional, pois estará a adaptar o mesmo às suas necessidades, evitando pagar por serviços e recursos que não vai utilizar.
– a garantia que raramente o seu website estará offline é outra das grandes vantagens deste recurso, utilizando uma parte dos recursos extra para aumentar a essa segurança online, é possível que o seu website durante alguns minutos esteja acessível, enquanto os seus concorrentes estão com o projecto offline.
– Correr diferentes aplicações é uma realidade da Cloud. Imagine que está em viagem e que precisa de fazer uma apresentação para um cliente. Na Cloud é possível fazer isso, utilizando apenas um browser. Um dos melhores exemplos é o Google Docs.

Desvantagens

– a primeira desvantagem deste serviço é o facto de ser extremamente recente, existindo ainda pequenas falhas e melhorias a serem feitas, o que em termos práticos resulta na falha do serviço por alguns minutos. (apesar dos websites serem afectados raramente)
– a segurança do serviço é outro dos factores desvantajosos para alguns utilizadores, já que a garantia dos dados armazenados não é das melhores, há muitos utilizadores a não adquirirem este tipo de serviços por falha de seguranças que possam ocorrer. Esta situação ocorre, principalmente porque não se sabe quem são os membros na nuvem.

Comparação da Cloud com os alojamentos tradicionais

A Cloud era um mundo completamente desconhecido para a maioria dos utilizadores há cerca de 3 anos atrás, porém com o passar do tempo, pequenas aplicações e tarefas simples começaram a levar os utilizadores a pesquisar mais e quererem saber mais sobre o assunto.

Com uma utilização inicialmente pessoal, principalmente guardando fotografias no Flickr ou Picasa, rapidamente o assunto passou ao campo empresarial e eram cada vez mais os administradores que procuravam as melhores soluções possíveis para os seus servidores.

Recorrendo muitas vezes a serviços de alojamento de empresas nacionais e internacionais que mais tarde se vinham a apresentar como incompletos, demasiado complexos ou sem a satisfação necessária para as suas necessidades, surgiram diversas propostas por grandes empresas que apresentavam a Cloud como o melhor recurso existente nos dias de hoje.
Permitindo que os utilizadores possam adaptar os serviços de alojamento às suas necessidades, garantiu muito mais poupança e elasticidade dos recursos apresentados, aumentando também o uptime dos servidores e consequentemente dos websites, já que alguns dos recursos adquiridos eram exactamente para essa mais-valia, como se funcionassem estilo “backup” em tempo real, fazendo com que os utilizadores nunca encontrassem o website em modo offline.

Conclusão

Em suma, os sistemas operativos mais abertos e flexíveis, os serviços mais simplificados e seguros e as funcionalidades mais rápidas, vieram colmatar falhas que existiam, levando os utilizadores a procurarem alternativas aos existentes. A Cloud veio para ficar e muitos especialistas afirmam que será certamente o futuro da Internet, garantindo o acesso a informação em qualquer local, sem a necessidade de discos rígidos e aplicações especiais.

Os nossos leitores também viram:

  • Sem artigos relacionados