O que é o FTP e para que serve?

Muito que se fala da Internet do ponto de vista do utilizador, contudo são poucos aqueles que sabem exactamente o que se passa no “backoffice”, ou seja, por detrás da imagem que esses mesmos utilizadores têm acesso. Um desses serviços é o FTP, essencial para a Internet e com uma funcionalidade muito importante na criação, desenvolvimento e manutenção dos websites hoje em dia.

O FTP traduz-se de uma forma muito simples, sendo que o seu principal objectivo é a transferência de arquivos para um servidor, transferência essa que é feita com toda a segurança necessária. Apesar de muitos utilizadores acreditarem que este serviço serve essencialmente para a criação e manutenção de websites, é importante lembrar que pode ser usado para muito mais do que isso, apesar de estar sempre associado a um servidor, poderá ter diversas utilidades que chegam a servir, pessoal e profissionalmente, muitas pessoas.

O que é FTP ?

A sigla FTP significa File Transfer Protocol, que em português significa Protocolo de Transferência de Arquivos. Sendo esta uma ferramenta usada em todo o mundo para a transferência de ficheiros, seja para a criação de um website, ou mesmo para entregar ficheiros a pessoas que estão a milhares de quilómetros em poucos minutos.

Este é o método mais usado para o “transporte” de todo o tipo de ficheiros na Internet, dada a sua rapidez e segurança, é usado por todo o tipo de utilizadores, seja para funções pessoais ou profissionais.

A transmissão em si é feita através do computador do utilizador para um espaço online pré-definido. O utilizador usa um cliente FTP (software específico) ou então o próprio explorador do Windows, já com o servidor FTP definido com as definições necessárias, de seguida selecciona os ficheiros a transferir e inicia o processo, este passo demora consoante o volume dos próprios ficheiros, no entanto a velocidade da Internet do utilizador é um factor que influencia. Posteriormente a ligação é terminada e os ficheiros ficam acessíveis através do servidor FTP em qualquer parte.

Para que serve o FTP ?

Como já foi referido em cima, esta é a forma mais rápida e segura de transferir ficheiros actualmente, sejam ficheiros pequenos ou de grande dimensão.

As transferências de ficheiros são usadas de diversas formas, a própria visita a um website é uma transferência de ficheiros, mesmo que temporários, o seu computador irá “receber” todas as imagens e sons que existam no website. Porém, para que isso seja possível, foi necessário que esses ficheiros fossem enviados para o website, através de um programa de FTP.

Assim, em termos resumidos, o FTP serve para enviar ficheiros para a criação e manutenção de websites, para permitir o acesso a ficheiros de grande dimensão (que de outra forma não seria possível) a outros utilizadores que se encontram a milhares de quilómetros de distância e até para criar “backups” dos seus próprios ficheiros.

Quando está a enviar um e-mail para um cliente ou familiar, sendo necessário adicionar um ficheiro para o envio, certamente que já teve o problema deste ser demasiado pesado e não ser permitido o envio. É para este tipo de situações que o FTP serve, sendo possível enviar o dito ficheiro para o seu servidor, podendo posteriormente enviar o “url” directo para o ficheiro no corpo do e-mail, permitindo assim que o receptor do mesmo faça o download directamente do servidor.

Como usar o FTP

Para utilizar o FTP é necessário saber o servidor para onde vai enviar os ficheiros, assim como o login e password do mesmo. Se está a utilizar o servidor do seu website, então o nome do seu servidor é o domínio ou IP que lhe foi dado pela empresa de alojamento, assim como o login e password que também deve ter recebido após o pagamento do serviço.

Existem diversos softwares nos vários sistemas operativos, uns gratuitos outros pagos, no entanto todos eles têm o principal objectivo de facilitar essa transferência de ficheiros. Se o seu sistema operativo é Windows, então não necessita de instalar nenhum software, já que o próprio explorador permite essa mesma ligação.

Relativamente aos softwares mais usados para o FTP, destacam-se o Filezilla, o SmartFTP e o CoreFTP, todos eles com um interface bastante simples de perceber, permitindo que os dados sejam armazenados posteriormente para novas transferências, garantem a realização de todas as tarefas que os utilizadores necessitem.

Cuidados básicos a ter com o FTP

Obviamente que para a utilização em pleno do FTP são necessários alguns cuidados básicos, principalmente se este for usado para fins comerciais ou profissionais, já que um pequeno erro poderá deixar os seus ficheiros à disposição de outras pessoas que podem não ter as melhores intenções.

Em primeiro lugar, logicamente, é não dar os dados de acesso a qualquer pessoa, já que com esses dados poderá entrar no servidor, apagando todos os ficheiros e depois perderá informação vital que tanto lhe era importante. Se tiver que dar acesso a uma outra pessoa à sua conta FTP, é possível criar um “novo utilizador” com menos poderes que o administrador, com credenciais distintas, permitindo assim que posteriormente esse utilizador seja apagado e nada se perde.

Por outro lado, a partilha individual de ficheiros pode tornar-se perigosa, nomeadamente em ficheiros de grande dimensão, já que um número elevado de downloads podem fazer com que o tráfego (bandwith) da sua conta de alojamento seja ultrapassado e ficará sem acesso ao servidor até tudo ser retomado.

Um último cuidado, um pouco mais “técnico” é referente novamente ao login e password, já que hoje em dia todo o cuidado é pouco, aconselhamos sempre que tenha os seus dados de acesso guardados num local fora do computador, estes devem ser sempre combinações de letras e números sem qualquer tipo de lógica (dificultando assim que sejam descobertos). Deixamos ainda a ideia que estes dados devem ser alterados pelo menos 2 vezes por ano, principalmente se o uso que der ao seu servidor for profissional, contendo informação vital para a sua vida pessoal e profissional.

Em suma, o FTP é um dos serviços mais importantes da Internet, apesar da sua utilização ser vital para vários utilizadores, é importante que tenha alguns cuidados básicos para garantir que tudo corre da melhor forma possível.

Os nossos leitores também viram:

O que é um nameserver?

Os números de telefone, telemóvel, e-mails de contacto, etc., fazem parte da nossa vida diariamente, contudo é praticamente impossível de os decorar, principalmente se o número de contactos for realmente grande. Para estas situações usam-se agendas, softwares específicos ou mesmo pequenas aplicações que transportam estes dados no seu smartphone para que esteja sempre informado sobre a eventualidade de uso de um desses dados. O mesmo acontece com os websites, já que a sua essência reside num conjunto de números que indicam o endereço IP do servidor, era necessário a criação de um sistema que traduzisse esses números em palavras, tornando muito mais simples de aceder aos websites e até decorar os seus endereços.

Muitas vezes se ouve falar que o sistema de DNS é provavelmente a maior base de dados do mundo, ainda mais agora que o mundo Online se tornou essencial e popular em praticamente todos os cantos do planeta. No entanto, esta é uma base de dados distribuída, com funções muito específicas e que se tornou essencial e obrigatória nas últimas dezenas de anos.

O que é um nameserver?

Um nameserver é um endereço alfanumérico que traduz um endereço IP, isto é, os websites podem ser acedidos por um IP directo, como por exemplo 220.223.133.74 porém é muito mais fácil decorar o endereço nomedowebsite.com. O nameserver tem exactamente esta função, gravar o nome de um website (ou seja o seu domínio) para aceder a um endereço IP onde o website está alojado. Assim, se o utilizador desejar mudar de alojamento, de empresa de alojamento ou simplesmente de servidor, não precisa de mudar todo o seu endereço para aceder ao site, bastando para isso actualizar os nameservers e eles fazem exactamente isso automaticamente.

Desta forma, existem momentos em que é expressamente necessário a modificação desses nameservers, pois o IP do seu website mudou e isso significa que não está mais acessível através daquele nameserver. Esta mudança pode demorar no máximo 72 horas, apesar de geralmente demorar muito menos, é preciso que durante este período de tempo tenha paciência pois a propagação dos servidores DNS é necessária e está a ser feita o mais rápido possível.

Os nameservers são da responsabilidade dos órgãos de registo de domínios, contudo os nameservers são colocados consoante o seu servidor e a empresa de alojamento em questão. Por exemplo, se adquirir um domínio na empresa X e tiver o seu serviço de alojamento na empresa Y, apenas terá que mudar os seus nameservers se mudar também de alojamento, já que a transferência de domínios não tem qualquer implicação no nameserver (apesar de aconselharmos que verifique sempre, pois podem ocorrer pequenos incidentes).
Um exemplo comum de um endereço de nameservers é “ns1.exemplodoseualojamento.com”.

Para que servem os nameservers ?

Como falado anteriormente, a principal função do nameserver é facilitar o acesso aos websites e mesmo durante a comunicação entre servidores. Cada servidor tem o seu próprio endereço de IP, porém para que se torne mais simples o acesso aos websites espalhados por todo o mundo, o DNS (Domain Name System ou Sistema de Nomes de Domínios) fica responsável por traduzir os endereços de IP onde os websites estão, em algo muito mais simples, pois para os utilizadores é muito mais fácil para digitar na barra de endereços e até para memorizar.

Quando um utilizador digita na barra de endereços um endereço web ou quando é enviado um e-mail para qualquer parte do mundo, a aplicação em uso questiona o DNS a que endereço IP é que este nameserver está a tentar aceder, tudo isto é feito de uma forma que o utilizador nem sequer repara. Esta função tem como objectivo a navegação online feita através de nomes (escolhidos pelos utilizadores) e nunca por números, pois seria demasiadamente complexo e demorado.

Alterar os nameservers no cpanel

O utilizador poderá recorrer a este serviço através da empresa de alojamento ou até da empresa de registo de domínio (se não for a mesma), contudo pode também fazê-lo directamente no cPanel com alguma facilidade.

Em primeiro lugar é necessário aceder ao cPanel do seu domínio, com as credenciais dadas pela sua empresa de alojamento (geralmente são as mesmas que usa para aceder ao FTP). De seguida deverá procurar a secção de Domínios e a opção de Editor de Zona DNS simples ou avançado (aconselhamos que comece pelo editor simples para que não aconteça nenhum incidente).

Em seguida é solicitado que escolha o domínio para o qual deseja alterar os nameservers, obviamente que poderá ter um ou vários, dependendo dos domínios adicionais que tiver no seu alojamento.

Posteriormente surge um formulário muito específico que permite criar e editar registos A e CNAME, sendo que para isso necessitará de ter as informações referentes aos nomes e endereços consigo.

Diferença entre forward e nameserver

Já aqui falamos da diferença entre forward e masking de um domínio, mas agora vamos falar da diferença entre forward e nameserver.

Em termos práticos, forward de um domínio é nada mais nada menos do que dar um caminho diferente para um website, ou seja, pode-se definir um outro domínio para aceder a um website que na realidade tem outro nome. Complicado? Vamos dar então um exemplo: alguns utilizadores acabam por adquirir mais do que um domínio para o seu website, porém este não tem qualquer utilidade (para além de garantir que nenhum concorrente o faz) se não for bem pensado, colocando assim os vários domínios a apontar para o mesmo website. Se um utilizador tem o domínio nomeempresa.com e adquiriu também o nome-empresa.com pode ser vantajoso fazer com que o website possa ser acedido com os diferentes domínios.

Por outro lado, o nameserver é utilizado para traduzir em “nomes” o servidor onde o seu website está alojado, permitindo assim que os utilizadores possam aceder ao website através do domínio nomeempresa.com e não do endereço IP em que o website está alojado.

A grande diferença entre estes dois serviços está na utilidade de cada um deles.

Vejamos:

Forward: é utilizado entre 2 domínios. Acontece quando um utilizador digita nome-empresa.com e “aterra” no nomeempresa.com.

Nameservers: é utilizado entre um domínio e um servidor. O nameserver faz a ponte entre o domínio e o servidor onde os ficheiros do site estão alojados.

Os nossos leitores também viram:

O que é um Domain Appraisal?

O que é um Domain Appraisal?

Depois de falarmos aqui sobre a compra e venda de domínios e a possibilidade de ganhar dinheiro com isso, é importante falar sobre outra questão: a avaliação dos domínios. Quando estiver a comprar um domínio precisará de saber se está a pagar o valor justo por ele, não obstante dos seus proprietários quererem sempre encontrar o melhor valor para se desfazerem dos domínios, é importante conhecer exactamente o seu valor para que ninguém seja enganado.
O mesmo acontece durante a venda, já que o valor do domínio depende de diversos factores, é importante saber sempre como o analisar de forma a não prejudicar a venda ou a compra por parte de outro utilizador.

Dado o crescimento que o mercado dos domínios teve nos últimos anos, assim como a sua importância, conseguindo muitas vezes gerar receitas extremamente altas para os seus proprietários, surgiram diversas empresas especializadas na avaliação de domínios. Esse serviço é conhecido como serviço de Domain Appraisal, funcionando como uma espécie de intermediário entre o vendedor e o comprador, têm como objectivo principal que nenhum dos lados fique a perder.

Serviço de Domain Appraisal

Tal como acontece em outros mercados, os investimentos requerem uma pormenorizada e extensa análise, imperando sempre a lei da oferta e procura. Sempre que há uma grande procura por um determinado item, o seu valor vai subir exponencialmente, levando os investidores a ganharem muito dinheiro com a sua venda posterior.

No caso do mercado dos domínios, funciona tudo com base na lei mencionada em cima, pois se uma palavra é muito pesquisada nos motores de busca, todos os domínios que tenham de alguma forma uma ligação com esta terão um valor extremamente alto. Um exemplo disso são os nomes de figuras públicas, já que até ao momento em que são conhecidos não têm um valor comercial elevado, porém depois dependendo da sua popularidade junto da comunicação social, os valores sobem exponencialmente, havendo casos que podem atingir os milhares de euros, como é o caso da palavra “Obama” que em poucos anos valorizou muito.

Para conseguir ganhar dinheiro através deste mercado, é imprescindível estar atento às tendências existentes no mundo online, principalmente no que diz respeito às pesquisas feitas. Existem ferramentas que o vão ajudar a trabalhar esta análise, como é o caso do Google Trends, que mostra a popularidade de frases e expressões ao longo de um determinado período de tempo. Mas atenção, deve ser manter-se na linha ética do registo de domínios. Não faça registos que quebrem propriedades intelectuais, mesmo que seja a maior trend mundial.

Os serviços de Domain Appraisal, fornecidos por empresas de todo o mundo e especializadas, servem exactamente para fazer esta análise de forma profissional e sem qualquer tipo de dúvidas. Ao contrário do que pode acontecer com os vendedores (pois sentem sempre algum apreço de pedir o valor real), os serviços fornecidos por empresas credenciadas irão analisar o domínio em questão e o valor do mesmo, analisando todas as variantes e anotações, informando posteriormente os interessados desse resultado.

É importante esclarecer que estes serviços não são obrigatórios, sendo apenas usados para aconselhamento dos valores a pedir pelos domínios, e ainda que não seja especificamente obrigatório a venda do domínio pelo valor avaliado, podendo existir outros factores a ter em conta durante a venda, as empresas aconselham sempre que as avaliações sejam levadas em conta durante o momento de transacção.

Actualmente existem diversas empresas a realizar este serviço para os interessados, porém dado que é um serviço manual e que requer diversas horas de investigação e análise, assim como um profissional especializado, são cobradas taxas que podem ir desde os $10 aos $30 (ou mais), dependendo da empresa em questão. Por outro lado, algumas empresas estão já a preparar a comercialização de um software preparado para receber informações variadas e fazer pré-análises, evitando assim que os profissionais de compra e venda de domínios necessitem de recorrer ao serviço de domain appraisal consecutivamente.

Considerações a ter em conta na avaliação de um domínio

Apesar deste ser um serviço para os profissionais especializados, deixamos aqui as principais indicações a ter em conta na avaliação de um domínio.

Memorização – o factor memorização de um domínio é das primeiras considerações a ter.
Dimensão – o número de palavras que constituem o domínio é importante, sendo que quanto menos mais valor tem.
Pesquisas – as pesquisas feitas para as palavras que compõem o domínio têm uma enorme influência na avaliação.
Ortografia – se um domínio não tem a ortografia correcta, geralmente tem um valor extremamente baixo, comparando com os que possuem a ortografia certa para a palavra em questão.
Extensão – obviamente que a extensão usada tem uma enorme influência na avaliação, sendo que os domínios .com são muito mais valiosos que outros.
Idade – um domínio de longa idade tem muito mais valor que outro que foi registado há apenas 1 ano.
Semelhantes – é feita uma análise constante aos domínios semelhantes vendidos anteriormente, podendo assim fazer subir o seu valor actual.

Vantagens do Domain Appraisal

Como falado anteriormente, quando um domínio é vendido existe uma análise necessária para saber exactamente qual o valor a cobrar, no entanto nem sempre este valor é o mais correcto, seja por estar demasiado baixo ou alto, levando assim a que uma das partes do negócio seja enganado.

Estes serviços funcionam como intermediários, analisando todos os factores que possam influenciar o valor real do domínio e chegando a uma avaliação correcta de forma a garantir o sucesso da venda e consequente compra. Alguns domínios devem ser sempre avaliados por profissionais, já que têm valores extremamente altos e que uma má avaliação por parte do seu proprietário pode significar milhares de euros de diferença do seu real valor a pagar.

Como saber exactamente o valor a cobrar por um domínio é uma das maiores e mais complexas dúvidas que existem neste mercado actual, pois se estiver a pedir um valor demasiado elevado, nunca conseguirá vender o domínio e terá dinheiro investido para nada. Por outro lado, se pedir um valor muito baixo, mais tarde vai arrepender-se e nunca mais vai poder recuperar o dinheiro perdido. Assim, os serviços de domain appraisal são uma referência mundial e têm uma enorme credibilidade no mercado actual, por isso quando um domínio é avaliado por um destes serviços, além de que a maioria destes suba um pouco o valor real deste, tem sempre uma maior probabilidade de ser vendido.

Desvantagens do Domain Appraisal

Sendo este um dos serviços mais importantes no mercado de compra e venda de domínios, seria de esperar que tivesse desvantagens de sua utilização. No entanto, a principal desvantagem existente é a falta de garantia de vendas.
Apesar de algumas empresas funcionarem como intermediárias entre possíveis compradores e vendedores de domínios, não há uma garantia de venda, o que em termos práticos pode significar um investimento para nenhum resultado. Dado que as empresas actualmente requerem o pagamento de uma taxa para o serviço, não existindo a garantia de venda, os interessados podem ficar apenas com os dados da análise e posteriormente pedirem o valor aos interessados que contactarem.

Como em todas as áreas de negócio, existem situações menos agradáveis que estão diretamente ligadas ao appraisal de um domínio. Se pretende utilizar um sistema automático, pode sempre fazê-lo, mas tenha em conta que um dos sistemas mais reconhecidos mundialmente, o Estibot, é utilizado por milhares de pessoas e nem por isso é fiável. O Estibot é apenas um exemplo de vários sistemas de appraisal automáticos.

Existem também esquemas menos próprios relacionados com appraisals, cuja única finalidade é obrigar à utilização de um determinado serviço deste tipo. Este esquema, por norma, começa com um email por parte de um comprador a dizer que está interessado num domínio e que tem uma exorbitância para pagar pelo mesmo. Após um email do titular do domínio, o suposto comprador indica como condição para a compra, um appraisal feito num serviço específico.
Este comportamento é uma fraude, já que para além de ninguém ser obrigado a fazer um appraisal, também é verdade que qualquer pessoa pode solicitar um appraisal para um determinado domínio. Não é necessário ser o titular do domínio para requisitar um appraisal. Recomendamos que se lembre deste facto.

Conclusão

Utilize um appraisal sempre que pense ser necessário, mas tenha em conta que não é obrigatório. Tente avaliar um domínio mediante os factores anteriormente descritos e se estiver a ter grandes dificuldades para chegar a um consenso, então utilize um serviço de appraisal que seja feito por humanos e não por máquinas, que muitas das vezes nem sabem o que é um domínio em português.
Embora esta opção de appraisal exista e possa ser útil, recomendamos sempre que a maior ferramenta de avaliação de um domínio seja o bom senso. É uma componente humana que por vezes é esquecida por ambas as partes num negócio e que será sempre necessária para obter uma boa base de diálogo na negociação, até porque por detrás de um domínio está sempre um ser humano.

Os nossos leitores também viram:

Como transferir um domínio?

A transferência de domínios é uma acção cada vez mais comum nos dias de hoje, seja por motivos de venda ou compra de domínios (existindo assim a mudança dos dados do proprietário do domínio), por mudança de empresa (transferindo o domínio para uma outra empresa por diversos motivos) ou outros motivos pessoais e profissionais.

Geralmente estas mudanças são sempre associadas aos utilizadores mais avançados, procurando sempre encontrar as melhores condições, já que algumas mudanças requerem conhecimentos técnicos e dados específicos relativamente às empresas em questão. Porém, com o avanço das tecnologias e das plataformas das empresas de domínios, é cada vez mais simples proceder a esta mudança, sendo muitas vezes necessário apenas a actualização de dados entre utilizadores registados ou no caso de mudança de empresa, a renovação do pagamento é sempre anexada à actualização dos dados do domínio relativamente aos dados da empresa em questão.

O que é necessário para transferir um domínio?

Em primeiro lugar, a transferência de domínios requer um sem número de condições, principalmente no caso de uma transferência entre provedores de serviços, onde há um sem número de condições que o utilizador tem que ter em atenção para que nada interfira nesta mudança.

Em termos práticos, o domínio está a ser transferido para um novo servidor web, onde por vezes a mudança de arquivos e dados está sempre inerente. Muitos utilizadores acreditam que esta mudança seja igual à feita no reencaminhamento de domínio para outra empresa, porém há alterações diferentes e que merecem a sua atenção.

Em primeiro lugar, para conseguir transferir um domínio é necessário que este esteja registado à mais de 60 dias na empresa actual, caso contrário a mudança não é possível. Por sua vez, é imprescindível que a empresa actual permita essa mesma transferência, evitando que o domínio esteja bloqueado no painel de controlo, no caso disso acontecer, caso não consiga mudar facilmente deverá contactar a empresa para agilizar todo o processo.
Antes de fazer a transferência é ainda necessário que verifique que o domínio não se encontra expirado, assim como a informação presente nos dados pessoais do proprietário, pois durante o processo de mudança será enviado um e-mail para confirmar a acção para o e-mail apresentado.

Transferir um domínio dentro da mesma registrar

Transferir um domínio dentro da mesma empresa é praticamente a mesma coisa que dizer que um domínio irá passar da mão do seu proprietário actual para um novo dono. Neste caso específico, apenas os dados pessoais do proprietário serão actualizados, já que a registrar será a mesma, é como se estivesse a vender o seu próprio automóvel, isto é, relativamente ao automóvel todos os dados serão os mesmos, porém os dados do seu proprietário necessitam de uma actualização.

Geralmente nestes casos de transferência existe muito menos condições necessárias, apesar de ser obrigatório que as condições acima mencionadas sejam todas completas. Em alguns registrars, mesmo que seja apenas um domain push, é pedido um Auth-Code ou Epp Key, código esse que é fornecido pela actual empresa e que permite que apenas os proprietários actuais possam “transferir” e dar poderes de transferência. Este código é pedido directamente ao seu actual registrar ou em alguns casos é visível dentro do painel do controlo do domínio. Existem alguns registrars que não lhe pedem este código para transferências de domínios entre contas. A Godaddy, por exemplo, não pede authcodes dentro do seu sistema, mas em contrapartida efectua um bloqueio ao domínio por 60 dias, para que não possa ser novamente transferido. Ou seja, na prática o domínio é transferido de uma conta para outra dentro da Godaddy, rapidamente (no mesmo dia), mas depois este domínio só poderá ser transferido 60 dias depois. Mesmo que seja para outro registrar que não a Godaddy.

A transferência de domínios dentro da mesma registar, acção também conhecida como domain push, não requer muitos conhecimentos técnicos, porém no caso de dúvidas devem sempre contactar o apoio técnico e tirar todas as dúvidas existentes, já que após a transferência não existe a possibilidade de voltar atrás, pois perde automaticamente os direitos sobre o domínio em questão.

Transferir um domínio para outra registrar

Esta é provavelmente a acção mais comum nos dias de hoje, já que muitos utilizadores procuram sempre as melhores condições para os seus domínios, são muitos que mudam de registrar em busca de melhores preços, melhores condições ou simplesmente para aproveitamento de promoções especiais.

O primeiro passo a fazer é proceder ao backup de tudo o que estiver dentro do domínio, pois apesar desta transferência não ser mais do que mudar os dados do seu registrar, podem ocorrer situações inesperadas e acabam por perder todo o website. São muitos os utilizadores que acreditam que nada disto seja necessário, pois apenas o nome do domínio será mudado entre registrars, porém não há nada como prevenir e um backup nunca fez mal a ninguém.

Nestes casos específicos, maior parte do trabalho é feito pela registrar que ficar com o domínio no futuro. Estas possuem uma espécie de formulário que deve ser preenchido com o domínio em questão a transferir, em seguida, a empresa irá contactar a actual registrar que tem em sua posse o domínio, requerendo a transferência e posteriormente todas as informações serão enviadas para o utilizador de forma a confirmar a veracidade dos dados e a proceder à transferência efectivamente.
Há ainda o pedido de um Auth-Code ou Epp Key, código esse que é fornecido pela actual empresa e que permite que apenas os proprietários actuais possam “transferir” e dar poderes de transferência. Este código é pedido directamente ao seu actual registrar ou em alguns casos é visível dentro do painel do controlo do domínio.

Esta mudança pode demorar alguns dias, geralmente 5 dias úteis, porém toda a informação é enviada para o utilizador pela nova registrar que está a tratar da mudança.

Serviços Escrow

A utilização dos serviços de Escrow está limitada à possibilidade de cada empresa, pois nem todas elas disponibilizam este serviço. No entanto, este serviço é também conhecido como transferência externa de domínios, tendo sempre um especialista a tratar da transferência em si.

Geralmente, estes serviços são requisitados pelos utilizadores que tenham em sua posse domínios realmente interessantes e que queiram ganhar muito dinheiro com a sua venda, existindo assim um profissional da empresa especializado e responsável por conseguir vender e transferir esse domínio para outro utilizador de forma a gerar lucro para o seu cliente.
Na prática, um Escrow funciona como um complemento de segurança para uma transferência de domínio bem sucedida. É um intermediário muito importante, mesmo que a venda do domínio seja por muito pouco dinheiro. Existem comissões a pagar por este serviço, mas convenhamos que é um serviço necessário.

O Escrow funciona de forma muito simples e tem como base o seguinte sistema:

1º- O comprador e vendedor do domínio chegam a acordo sobre os termos da transação;
2º- O comprador transfere o montante acordado para o serviço Escrow;
3º- Já com a confirmação de depósito e disponibilidade do dinheiro, o vendedor procede à transferência do domínio, utilizando os dados que descrevemos, com o authcode, etc;
4º- Assim que o comprador tiver em sua posse o domínio, o sistema Escrow liberta os fundos para o vendedor.
5º- É tudo. Todas as partes ficam com o que pretendem de forma segura, embora não necessariamente rápida. Mas é melhor esperar do que perder um negócio.

Conclusão

Em termos práticos, a transferência de domínios é relativamente simples de efectuar, não necessitando de muitos conhecimentos técnicos para ocorrer, porém é importante que determinadas condições sejam sempre contempladas antes de avançar para esta mudança.
Por outro lado, as próprias empresas garantem um serviço de acompanhamento que permite que os utilizadores com mais dúvidas possam assim ver esta transferência feita da forma correcta para não perderem dados ou até arquivos existentes no servidor associado ao domínio em questão.

Em caso de dúvidas, não hesite também em utilizar os nossos comentários e contactos directos, estamos sempre dispostos a ajudar os nossos leitores e a retirar todas as dúvidas existentes.

Os nossos leitores também viram:

  • Sem artigos relacionados

O que é o flipping de domínios?

Os domínios, além de toda a importância que têm para o lançamento de um projecto online, têm ainda uma outra vertente que está a fazer um enorme sucesso junto dos profissionais da Web. A compra e venda de domínios, ou como é mais conhecido flipping de domínios, consiste num método de gerar dinheiro rápido que pode gerar diversos lucros, apesar de ser necessário alguns conhecimentos básicos e importantes.

O flipar domínios é um método bastante antigo, porém foram poucos aqueles que tentaram a sua sorte neste mercado, pois para conseguir gerar as receitas ideias é necessário muitos conhecimentos, muita visão e mais importante ainda, encontrar o local ideal para o fazer. Todos os anos são registados milhares de novos domínios, porém outros milhares são deixados de usar, por diversos motivos, o que implica que sejam conseguidos por outros clientes ou simplesmente vendidos para contemplar necessidades básicas e essenciais.

A compra e venda de domínios é um mercado bastante movimentado, com o mesmo domínio a percorrer diversas mãos durante uma década, embora aqueles domínios denominados de premium (ou seja, com boas keywords e numa temática interessante), sejam vendidos poucas vezes, principalmente pelo valor pedido pelos menos que pode muitas vezes chegar a atingir milhões de euros.

O que é Flipar domínios?

A ideia básica a ter em consideração é a compra e venda de domínios interessantes, ao contrário do que acontece com a compra e venda de domínios, neste caso o valor a cobrar é inteiramente e exclusivamente ligado ao tipo de domínio em si. Se na compra de um domínio o cliente tem que ter atenção com o conteúdo, o design, a optimização, os rendimentos, etc., no caso do mercado de domínios, apenas o historial do domínio, as keywords e o tempo do domínio interessam.

Dado o volume de domínios adquiridos nos últimos anos, acreditamos que este seja um mercado em crescimento, mas existe também um mercado negativo, já que muitos interessados em vender domínios acreditam exageradamente no valor do seu produto e acabam por estragar o mercado com propostas irreais.

Dicas para flipar domínios

Sendo este um mercado em ascensão, é de esperar que existam cada vez mais oportunidades e como é óbvio, interessados em ganhar dinheiro, mas para conseguir atingir o seu objectivo é importante seguir uma série de ideias básicas que vamos esclarecer aqui.

Cuidado com os riscos – são muitos os utilizadores que tentam entrar neste mercado internacional, comprando domínios sem pensar e julgando que vão conseguir vender no mercado nacional ou internacional a valores astronomicamente altos, mas é importante ter em conta o risco, pois podem não conseguir vender e terão o dinheiro investido sem qualquer retorno. Por isso, antes de comprar um domínio, faça uma pesquisa relevante antes e perceba se é ou não uma boa compra.

Compre apenas o que conhece – comprar domínios de forma deliberada pode ser um dos maiores erros que pode cometer. Por isso, aconselhamos a que compre apenas domínios relacionados com temáticas que conhece, encontrando pequenos micro-nichos e keywords que apenas conhecendo o tema é possível.

Cuidado com as extensões – muitos utilizadores pensam que a aquisição de um domínio é unicamente ligado às keywords do mesmo, mas o domínio é constituído também pela extensão escolhida. O ideal é seguir a ordem .com, .net, .org, isto é, dando prioridade sempre à extensão .com. Pode ser uma boa técnica, encontrar bons domínios .com já registados e tentar obter o mesmo domínio com outras extensões, sendo depois vendido ao mesmo utilizadore do .com. No entanto, é cada vez mais difícil conseguir obter lucro nesse negócio, já que os utilizadores usam as várias extensões dos domínios quando estão a projectar um grande website.

Historial do Domínio – comprar um domínio com historial pode ser uma fantástica opção, muitas vezes já tem pagerank, já foi usado em projectos de grande dimensão e podem trazer novos clientes para o seu negócio. Encontrar domínios expirados pode ser difícil, porém nos locais de compra e venda de domínios existem listas de domínios prestes a expirar que podem ser comprados facilmente.

Esteja sempre atento à actualidade – leia muito, seja online ou offline, conhecendo assim os nomes mais populares, as marcas e produtos mais em voga e mais importante ainda, as novidades da actualidade que estão a ser mais faladas. Mesmo que não seja no seu país ou na sua língua, quem sabe se não é o primeiro a registar um domínio que pode ser comprado por milhares de euros, meses mais tarde com a popularidade dessa palavra/assunto.

Venda directa – apesar de existirem portais dedicados ao flipping de domínios, a venda directa pode tornar-se muito mais rentável em algumas situações. Procurar pessoas ou empresas que possam estar interessadas no seu domínio pode ser uma fantástica opção para algumas vendas, use as palavras certas, descreva as vantagens e tenha um preço vantajoso, certamente que conseguirá um bom negócio e mais rápido.

Vantagens e Desvantagens de flipar domínios

Obviamente que sendo este um mercado em autêntica expansão, há sempre vantagens e desvantagens inerentes, ficando à responsabilidade de cada um analisar as mesmas e encontrar as melhores opções para o seu caso.

Para o lado dos vendedores, uma das grandes vantagens deste mercado é a possibilidade de conseguir ganhar imenso dinheiro com a venda de um único domínio, desde que este tenha as características ideias para um determinado cliente, este terá todo o gosto em pagar uma grande quantia para garantir que fica com o domínio desejado. No entanto, com a expansão e popularidade do mercado, existem cada vez mais utilizadores a tentarem a sua sorte e torna-se cada vez mais complicado de conseguir bons negócios.

Para os compradores, comprar um domínio ideal para o seu negócio é assim possível, mesmo com o pagamento de uma grande quantia, garante o sucesso do seu negócio a começar logo pelo domínio. Os preços pedidos pelos vendedores são a grande desvantagem do mercado actual, com alguns deles a sobrevalorizar os seus produtos na tentativa de obtenção de um grande lucro.

Onde flipar domínios?

Actualmente existem diversas opções para quem quer flipar domínios, desde os fóruns dedicados à Internet, onde entusiastas e profissionais da Internet se juntam para partilhar ideias, trocar comentários e comprar e vender diversos produtos e serviços.

Depois existem comunidades dedicadas essencialmente à compra e venda de domínios por parte de individuais, como é o caso da Sedo, Flippa, Moniker, entre outros menos populares.

Actualmente é ainda possível encontrar pequenas comunidades que têm o principal objectivo de fomentar este mercado, no entanto ainda não têm a dimensão ideal e não aconselhamos a sua utilização.

Os nossos leitores também viram:

O que é uma Backorder de um domínio?

A compra do domínio acertado para o seu negócio pode ser uma das tarefas mais complicadas na colocação do mesmo no mundo online. Se por um lado encontrar o domínio certo é imprescindível para alcançar o sucesso online, por outro lado, dada a enorme evolução e popularidade da Internet, torna-se cada vez mais complicado encontrar o melhor domínio possível e disponível. Hoje em dia existem profissionais que se dedicam à compra e venda de domínios, fazendo assim com que muitos dos melhores domínios, indicados para um determinado tipo de website, estejam já adquiridos e seja necessário proceder à negociação ou então tentar encontrar outra opção.

Apesar de por vezes existirem outras opções para o domínio do seu website, uma pequena variação na composição do domínio pode-se transformar num autêntico desastre, o que leva a muitos profissionais tentarem negociar a compra desses domínios aos seus donos. Muitos dos domínios adquiridos não estão a ser usados, sendo ainda mais fácil a sua aquisição, porém há sempre um pagamento extra que os proprietários requerem. Existem ainda aqueles que se esquecem (ou que não têm intenção) de renovar o mesmo, fazendo assim com que os novos interessados tenham a possibilidade de o adquirir, usando o backorder.

O que é uma backorder?

Em termos práticos, backorder significa “nova encomenda”, isto é, depois de um domínio ser registado pela primeira vez, necessita de uma renovação anual, sendo necessário fazer o pagamento para que ele esteja online. Caso esse pagamento não aconteça, seja por esquecimento, desistência ou cancelamento, o domínio volta a estar livre para os interessados o adquirirem, porém têm um período de espera para que o actual proprietário possa ainda renovar o mesmo caso deseje.

Existem várias formas de entrar numa backorder de um domínio, no entanto geralmente a mesma funciona em formato de leilão, isto é em termos práticos, os interessados no domínio já registado informam a empresa sobre o valor máximo que estão dispostos a pagar para ficar com esse domínio. O mesmo acontece com todos os outros interessados e muitas vezes esse valor pode ser realmente alto, dependendo do domínio em questão.

O preço praticado por cada backorder vai depender de empresa para empresa, por outro lado, o tipo de proposta a fazer depende também do tipo de mercado que a empresa proporciona aos interessados, existindo pequenas diferenças que devem ser sempre analisadas antes de entrar na corrida para conseguir um domínio expirado.

Vantagens e desvantagens de backorder de domínios

O backorder de domínios tornou-se uma das grandes vantagens das empresas mundialmente famosas actualmente no mercado. Permitindo que os interessados possam adquirir domínios prontos a expirar ou já expirados, garantindo assim o sucesso para muitos profissionais que procuram as melhores opções de domínios para os seus websites.

Actualmente todos os domínios gTLD’s permitem que se faça backorder, lutando pela sua aquisição entre muitos interessados, ou simplesmente garantindo a sua compra assim que estes fiquem disponíveis. Com a banalização da compra e venda de domínios por amadores, são muitos os que fazem as suas aquisições numa tentativa posterior de os vender, não o conseguindo fazer e acabando por desistir dos mesmos, fazendo assim com que as backorders se tornem ainda mais importantes para os profissionais da Internet.

Por outro lado, a aquisição deste tipo de backorders pode tornar-se desvantajosa para algumas situações, com taxas aplicadas para as desistências ou mesmo para quem não consegue vencer a corrida, significa o pagamento extra mesmo que não se fique com o domínio em questão.
Nestes casos, aconselhamos sempre que antes de proceder a qualquer backorder de um domínio conheças as condições e regras aplicadas ao mercado por parte da empresa, existindo variações entre empresas, é sempre necessário conhecer as condições a que estarão sujeitos, seja a nível de desistência da corrida ou mesmo de não conseguir a compra do domínio.

Uma outra desvantagem é o tempo necessário para saber se é o vencedor da corrida, com mais de um mês de espera apenas para que a corrida seja iniciada, para muitos profissionais pode tornar-se uma espera demasiado longa para a aquisição do domínio da sua empresa.

Onde e como fazer uma backorder?

Hoje em dia praticamente todas as empresas credenciadas na venda de domínios permitem que os interessados façam a backorder de um domínio já expirado. Algumas empresas têm um sistema um pouco mais avançado, permitindo encontrar uma lista de domínios que se encontram a expirar em 30 dias, os já expirados e aqueles que já estão na corrida para a aquisição por parte do novo proprietário.

A forma de o fazer vai depender de empresa para empresa, sendo que algumas delas são extremamente fáceis, necessitando apenas de escolher o domínio, proceder à aquisição da backorder como se de uma encomenda nova se tratasse. O pagamento é feito depois da corrida começar, se for em formato leilão, os interessados entram na corrida registando o seu pedido e depois faça o seu lance para o domínio, se for de outra forma, o pagamento é feito antes do registo ficar a seu nome.

Conclusão

Existem milhões de domínios que são registados todos os anos, alguns deles têm uma finalidade específica, outros são adquiridos a pensar na rentabilização posterior vendendo os mesmos a interessados. Porém, todos eles necessitam de uma constante renovação (valor pago anualmente), o que leva a que muitos profissionais acabem por não os renovar, por vários motivos.

É neste momento que a backorder se torna extremamente vantajosa, para aqueles que procuram a aquisição de um determinado domínio que está na posse de outro profissional, entrando numa corrida de guerreiros ou simplesmente marcando o seu interesse pela aquisição do mesmo assim que expire e o seu actual proprietário não proceda à renovação. No que diz respeito aos preços praticados e à forma de proceder à backorder, existem variações conforme a empresa escolhida para o fazer, existindo actualmente um grande número de empresas especializadas no tema, empresas de venda de domínios que têm esse serviço disponível e ainda websites de leilões específicos desse tipo de domínios.

Os nossos leitores também viram:

O que é o SEM

O que é o SEM

Já falamos aqui de SEO, onde enumeramos todas as características deste conjunto de ferramentas para conseguir colocar um website nos primeiros lugares dos resultados de uma pesquisa. Hoje é dia de falar de SEM, conhecido como Search Engine Marketing, isto é, um conjunto de técnicas de Marketing Online que tem como principal objectivo, em conjunto com o SEO, colocar um website nas páginas de resultados (denominadas de SERPs) de um motor de busca.

Os motores de busca são hoje em dia essenciais no dia-a-dia de grande parte das pessoas que usam a Internet, por isso surgir nos primeiros resultados para diversas palavras-chave é o desejo de todos aqueles que tenham um website informativo ou comercial na Internet. O SEM, serve essencialmente para conseguir dar uma maior visibilidade a cada website que se encontra online, garantindo assim que este surge nas primeiras páginas (preferencialmente deverá surgir na primeira página para que tenha o sucesso pretendido) para uma determinada pesquisa.

O que é Search Engine Marketing?

Também chamado de Marketing de Busca ou Pesquisa, pode ser dividido em duas áreas de actuação, sendo que a combinação ideal entre as duas será o resultado que todos os proprietários de websites procuram, encontrando o caminho ideal para chegar aos primeiros resultados dos motores de busca, são eles:

Links Patrocinados – denominados de anúncios pagos

SEO (Search Engine Optimization) – denominados de resultados orgânicos nos motores de busca, gratuitos

Links patrocinados – estes links podem ser adquiridos através do sistema da Google, o Adwords, destacando assim o seu website no topo dos resultados de pesquisa para determinados tipos de pesquisa. Nestes casos, a escolha certa do anúncio a colocar é que vai ditar o sucesso do mesmo, já que são cada vez menos as pessoas que clicam nas publicidades, apesar de ainda o fazerem, precisam de se destacar de todas as outras.

SEO – a optimização das palavras chave, do conteúdo do website, dos links internos, as redes sociais, organização e estrutura do website e ainda o factor usabilidade são extremamente importantes para conseguir atingir o objectivo final. Pode-se afirmar que o SEO é o factor mais importante do SEM, representando o factor mais evidente a longo prazo.

Dicas para um bom SEM

Para conseguir que as suas estratégias de SEM estejam a funcionar em pleno, vamos deixar aqui algumas dicas essenciais para garantir o sucesso das mesmas.

Universo das Palavras-Chave

Em primeiro lugar, conhecer e entender os desejos das pessoas dentro dos motores de busca é essencial para conseguir o sucesso. Isto é, existem milhões de palavras-chave possíveis, largas centenas possíveis para cada website, porém é a escolher acertada que pode ser o sucesso. Algumas palavras chave são muito mais importantes, tendo uma tendência de crescimento e concorrência baixa, aumentando assim a sua probabilidade de subir nas pesquisas gerais e surgir nos primeiros lugares.

Conteúdo de Qualidade

São muitas as pessoas que acreditam que a escolha das palavras-chave com um design atractivo são o suficiente para o sucesso de um website/blog, porém estão completamente enganados. O conteúdo de qualidade é extremamente importante, mesmo que este surja nas primeiras posições para uma determina pesquisa, se o conteúdo não for relevante e de qualidade, não irá cativar a atenção do cliente e este sairá do website em poucos segundos.

Para conseguir ter um bom conteúdo no seu website, aconselhamos que tenha:

– artigos relevantes na área de actuação do website em si;

– uma secção com perguntas frequentes e as respostas às mesmas;

– notícias que se enquadram na temática do website ou da sua empresa;

– comparativo de preços de produtos e serviços, caso se adapte ao seu modelo de website;

– todo o conteúdo deve ser escrito com uma linguagem simples, directa e sem qualquer tipo de erros ortográficos ou semânticos.

Redes Sociais

Nos dias de hoje, ter uma presença nas redes sociais é praticamente obrigatório. Não só porque as redes sociais fazem parte do dia-a-dia de maior parte dos utilizadores/clientes, levando muitos deles a recorrerem em primeira mão a estas em detrimento dos motores de busca, como também para garantir que os resultados nos motores de busca são também influenciados.

Optimização do Website

Como falado anteriormente, a Optimização para Motores de Busca (SEO) é extremamente importante no Marketing de Busca, por isso é essencial que tenho um website optimizado para garantir que tudo corre da forma desejada.

É importante que tenha as Meta Tags preenchidas (o título, descrição e keywords relativas ao website em si), tenha link internos que façam o cliente navegar pelo website, o caminho em que o cliente se encontra (indicando qual a secção do website onde ele está), as tags H1, H2, H3, etc. preenchidas, as palavras-chave com as densidades necessárias e ainda importante, url’s amigáveis, garantindo sempre que esse url já tenha alguma informação sobre o conteúdo que vai encontrar no website.

Links Pagos

A compra de anúncios, ou links pagos, é essencial para conseguir atingir o seu objectivo, porém para que esta compra seja um sucesso é importante ter cuidado com o tipo de anúncios que se coloca.

Em primeiro lugar, deve sempre perguntar-se “o que o cliente procura?”, “onde está o cliente?”, apenas com estas duas perguntas facilmente conseguirá restringir os seus anúncios a determinados possíveis clientes. Imagine que tem um anúncio de venda de computadores portáteis, porém apenas vende uma determinada marca, com determinadas características e numa determinada zona geográfica, é importante que todas essas condições estejam direccionando o anúncio para os possíveis clientes. Se o seu cliente ideal é de uma zona geográfica nacional, em nada lhe convém anunciar para possíveis clientes internacionais.

Conclusão

O SEM, Search Engine Marketing, é um conjunto de técnicas que tem como principal objectivo aumentar a possibilidade de encontrar público para o seu website. Sendo um trabalho a longo prazo, é possível que demore algum tempo a fazer efeito e a trazer novos clientes, porém quando este é feito da forma correcta, pode significar um sucesso a longo prazo que de outra forma seria impossível de conseguir.

Os nossos leitores também viram:

O que é o SEO?

Depois de termos falado aqui da importância na escolha do domínio do seu website, nos diferentes tipos de alojamento existentes no mercado, e na importância que uma boa escolha de recursos a utilizar pode ter para o sucesso do seu negócio online, é o momento de começar-mos a aprofundar os conhecimentos e entrar no próprio “interior” do website em si.

Quem coloca um website online, tem como principal objectivo que este seja visitado por clientes ou possíveis clientes, porém se estes não têm conhecimento sobre o website, então a tarefa é completamente inútil. Para isso, é importante que o seu website seja reconhecido através dos motores de busca, surgindo nas pesquisas efectuadas por possíveis clientes e mostrando que se adequam às necessidades destes. Para que isso aconteça, o SEO é extremamente importante, garantindo uma boa optimização para os motores de busca, uma das tarefas mais importantes no âmbito do web marketing e que mais probabilidades lhe pode dar para conseguir novos clientes.

O que é o SEO?

Apesar da importância que o SEO tem para os websites nos dias de hoje, são poucos os que sabem exactamente o que significa esta técnica. Neste caso, SEO não é uma técnica em si, mas sim um aglomerado de técnicas diferentes e complementares que são utilizadas com o principal objectivo do seu website surgir nos resultados das pesquisas feitas nos motores de busca, principalmente no Google já que é o maior e mais reconhecido por todo o tipo de utilizadores.

SEO é o acrónimo de Search Engine Optimization, que em Portugal é conhecido como Optimização para Motores de Busca, considerado por muitos especialistas como uma das partes mais importantes para quem quer que o seu negócio online seja um sucesso.

O principal objectivo da utilização destes técnicas é melhorar e aumentar a posição e o número de resultados em que o seu website surge na resposta para uma determina pesquisa, tendo em conta as palavras chave colocadas na mesma. Cada website tem as suas próprias palavras-chave, palavras essas que devem ser sempre escolhidas tendo em conta os objectivos do seu website e as áreas em que este se enquadra, no entanto as técnicas de SEO vão fazer com que algumas destas palavras tenham uma maior importância, sejam enfatizadas e cheguem às primeiras páginas e se possível aos primeiros lugares dos resultados.

Qual a importância do SEO?

Actualmente, segundo certos estudos feitos por entidades competentes, existem milhões de websites online nos dias de hoje, apenas alguns deles são actualizados com regularidade e tendo em conta o tipo de resultados que os motores de busca apresentam, apenas 10 surgem na primeira página dos resultados.

Os motores de busca apenas colocam os websites de enorme qualidade e que satisfaçam as necessidades da pesquisa feita, na primeira página, garantindo assim que as pesquisas efectuadas são correspondidas com os resultados apresentados, satisfazendo as necessidades dos utilizadores. Para que um website surja nas primeiras páginas dos motores de busca, é importante que os algoritmos destes identifiquem o seu website como relevante para determina pesquisa, caso eles não encontrem essa relevância, então outro website vai ficar com o seu lugar e vai continuar a descer nos resultados apresentados.

Em termos práticos, quando uma pesquisa é feita sobre “criação de animais” os algoritmos dos motores de busca, vão aos seus “armazéns” que entretanto já correram todos os websites existentes na Internet, identificando aqueles que têm mais probabilidades de satisfazer as necessidades de quem procura por “criação de animais”. Se o website em questão, não tiver a relevância desejada pelo motor de busca, então vai descer no ranking e tornar-se cada vez mais difícil de encontrar no meio de tantos outros, que satisfazem as necessidades para este tipo de pesquisa.

O SEO surge exactamente como a melhor técnica (ou conjunto de técnicas) que levam os motores de busca a considerar um website na apresentação dos resultados para uma determinada pesquisa. Assim, a importância que o SEO tem para um website e consequentemente para um negócio, é garantir que o mesmo é mais simples de encontrar que qualquer outro concorrente, conseguindo assim aumentar os possíveis clientes.

Como melhorar o SEO do seu website

Não entrando em pormenores técnicos, que não é o nosso principal objectivo, vamos deixar aqui alguns dos factores principais no que diz respeito à optimização para os motores de busca.

Antes de iniciar qualquer melhoramento do seu website a nível de SEO, aconselhamos sempre que saibam exactamente quais são as palavras-chave para que querem que o vosso website surja nas pesquisas, já que só podes de as conhecer é que é possível estipular um plano. Para isso, além de conhecer o seu mercado “genérico”, conheça os resultados que surgem para a pesquisa. Pegando novamente no mesmo exemplo dado, será muito mais complicado surgir nos primeiros lugares para “criação de animais” do que propriamente para “criação de animais selvagens”, desde que estas palavras-chave estejam ligadas ao seu negócio.

Domínio

Como já falamos aqui anteriormente, o primeiro passo para uma boa estratégia de SEO para o seu website, está na escolha do seu domínio, preferencialmente constituído por uma ou duas palavras-chave importantes. A escolha destas palavras-chave são essencias para uma boa utilização do domínio na estratégia de SEO a adoptar.

Palavras-Chave

Como referido antes, a escolha certa das palavras-chave para o seu website e consequentemente para o seu negócio podem ser fundamentais para conseguir segmentar ainda mais o seu público-alvo.

Conseguir os primeiros lugares em pesquisas genéricas (criação de animais) pode ser extremamente difícil, dada a concorrência já existente, então é possível conseguir bons lugares com a escolha de palavras-chave mais relevantes e pormenorizadas (criação de animais selvagens).

Ligações

Conseguir links internos e externos pode ser uma boa estratégia também. Se por um lado os links internos garantem uma boa navegabilidade e interesse por parte dos utilizadores dentro do website, por outro lado os links externos mostram que outros websites confiam no website para determinada palavra-chave, fazendo com que suba no que diz respeito aos resultados apresentados.

Os nossos leitores também viram:

O que é o ecommerce?

Apesar do estado crítico que a nossa economia se encontra, existe sempre quem tente combater esse problema com novas e diferentes soluções. Uma dessas soluções passa por tentar combater o desemprego, gerando o seu próprio rendimento e emprego ou simplesmente combinar o seu emprego regular com um extra para assim conseguir mais rendimentos e estabilizar financeiramente.

Hoje em dia existem várias soluções, ficando a cargo de cada um encontrar aquela que melhor se adaptar às suas necessidades, às suas possibilidades a nível de tempo e principalmente, a nível de conhecimentos.

Uma dessas soluções, cada vez mais usada e mais viável, passa pela presença Online, seja através de apresentação do seu negócio (com os websites informativos), a transmissão dos seus conhecimentos em determinadas áreas (com os blogs informativos) ou até mesmo a venda de produtos e serviços (através das lojas online).
Este artigo vai complementar exactamente esta terceira opção, uma das mais procuradas nos dias de hoje, com um sem número de opções, permite que muitas pessoas tenham um negócio online, sem necessidade de grandes conhecimentos e ainda conseguindo gerar um bom negócio.

As lojas online, também conhecidas como e-commerce, permitem negociar produtos e serviços na Internet, com inúmeras vantagens e sem tantas complicações e custos associados que as lojas físicas necessitam. Porém, para conseguir ter o devido sucesso desejado, existe um sem número de cuidados a ter, nomeadamente na escolha do sistema de e-commerce, na optimização para os motores de busca e em toda a gestão de marketing da mesma e ainda na forma como a própria loja é administrada.

O que é e-commerce?

O e-commerce é um dos mais importantes fenómenos da Internet em crescimento constante, permitindo que as barreiras entre o comércio tradicional e electrónico sejam cada vez mais estreitas, garantem a transacção comercial na Internet.

Este sistema permite que a compra e venda de produtos ou serviços não esteja condicionada por questões de tempo ou distância, permitindo que clientes façam compras a empresas do outro lado do mundo, sem necessidade de deslocamentos e com toda a comodidade necessária.

Hoje em dia existem vários tipos de negócios e-commerce, desde os sites de leilões (mundialmente famosos), passando para o comércio de bens e serviços entre organizações e terminando com os sites de retalho destinados a clientes finais, encontra-se lojas variadas, com variadas condições, características e preços distintos.

Os negócios entre empresas, geralmente denominados de B2B ou seja Business to Business, garantem variadas vantagens sobre os métodos tradicionais, permitindo diversas transacções em função dos cliente sou mesmo fornecedores. Por outro lado, os negócios para clientes, denominados de B2C ou seja Business to Consumer, garantem uma rapidez e facilidade enorme de clientes chegarem até aos produtos ou serviços, mesmo que estes estejam a milhares de quilómetros de distância.

Ecommerce Tradicional

As lojas online tradicionais são as mais comuns em todo o mercado online, garantindo a disponibilidade de produtos e serviços para qualquer utilizador, sendo as mais procuradas pelos utilizadores comuns.

Geralmente estas lojas são sustentadas por um sistema de e-commerce predefinido, com uma zona de administração bastante simples de administrador o que permite a utilização por todo o tipo de utilizadores. Existem ainda utilizadores mais exigentes que acabam por criar os seus próprios sistemas, principalmente quando os objectivos são diferentes ou as características do negócio necessitam de mais condições.

Existem hoje em dia vários tipos de plataformas pagas e gratuitas que podem ser usadas para praticamente todos os negócios online, algumas delas são mais completas que outras e garantem uma maior segurança. Alguns casos necessitam do pagamento de uma mensalidade para garantir a presença online da loja, porém outros sistemas são gratuitos e totalmente dependentes do utilizador administrador.

Nestes casos o “comerciante” é responsável por toda a gestão de compra e venda dos produtos, estando encarregue de todas as tarefas, desde o contacto com o fornecedor (caso exista), até ao controlo do stock existente, gestão da venda em si e envio para o cliente final. Tudo está a cargo do administrador da loja, o que em casos de extremo sucesso pode tornar-se complicado de gerir por uma única pessoa e apenas em part-time, para estes casos é necessário algumas horas de dedicação, seja para a divulgação da loja, seja posteriormente para a gestão da mesma em relação aos clientes que vão surgindo.

Ecommerce Social

As redes sociais vieram para ficar e estarem presentes no dia a dia dos cidadãos, com milhões de jovens e adultos a usarem as redes sociais diariamente, seria de esperar que os empresários olhassem para as mesmas com outros olhos, usando-as como um modelo de negócio vantajoso.
Assim, o ecommerce social seria de esperar que viesse para o mercado com uma forte presença, inúmeras vantagens e uma ferramenta de negócio fantástica para todos aqueles que desejam fazer negócios online.

A junção das redes sociais com as lojas online permitiu que os próprios clientes e consumidores se tornassem autênticos protagonistas no mercado, aumentando exponencialmente a importância que as suas opiniões pessoais têm, colocando-as na Internet, directamente nas redes sociais. Hoje em dia um consumidor antes de comprar algum produto ou serviço, independentemente da garantia que a própria loja lhe possa oferecer, este sente necessidade de recorrer à opinião pessoal de outros consumidores da mesma loja, pesquisando nas redes sociais ou questionando directamente através de grupos de discussão, fazendo assim com que estas tenham um papel fundamental no desenvolvimento do negócio.

Hoje em dia, com a evolução do ecommerce social, surgiram várias aplicações que permitem exponenciar a venda de produtos e serviços através dessas mesmas redes sociais, com uma forte presença na maior de todas elas, o Facebook. Estas aplicações têm como principal objectivo encurtar o caminho entre o consumidor e a empresa, não necessitando que este se desloque ao website da empresa para fazer as suas compras, permitindo a partilha e troca de informações relativamente ao produto, ao serviço ou à empresa, aumentando assim a confiança de outros potenciais clientes.

Porém, para que o sucesso seja alcançado é necessário muito mais do que colocar a sua loja online nas redes sociais, é necessário ter uma página de fãs bem estruturada e organizada, com uma imagem visual bastante agradável, transmitindo conteúdo de excelente qualidade e relevância para os consumidores, promovendo a troca de informações e fomentando a opinião pessoal do consumidor. É igualmente importante utilizar as Facebook Ads (publicidade do Facebook) para impulsionar as suas vendas, pois após a presença online da empresa nas redes sociais, o consumidor está à espera de uma entrega dentro do prazo e um atendimento personalizado, algo que deve ser combinado com a estrutura e apresentação das redes sociais.

Drop-shipping

O drop-shipping é um dos métodos de ecommerce mais popular nos dias de hoje, com inúmeras vantagens para o empresário, pode vir a garantir uma renda mensal extremamente elevada, com relativamente pouco trabalho a fazer, já que grande parte da administração da loja online não é da responsabilidade do empresário.

Em termos práticos, neste tipo de sistema de ecommerce, o empresário funciona como um intermediário entre o comprador e o fornecedor, recebendo consoante o tipo de preços que está a praticar. A maior parte dos negócios de drop-shipping não tem qualquer produto para exemplo, funcionando apenas como um catálogo online e onde os produtos estão a milhares de quilómetros (na maior parte das vezes claro), não sendo assim necessário que o empresário tenha um local destinado ao armazenamento dos produtos, sendo menos uma despesa.

Porém, apesar da questão dos stocks não serem obrigatórios por parte do empresário, é uma grande desvantagem já que se torna muito complicado de controlar o mesmo e garantir sempre os produtos para o cliente final. Neste caso é necessário ter sempre um bom canal de comunicação com o fornecedor em causa, conhecendo sempre o nível de stock de cada produto e informando o consumidor do mesmo. Este é provavelmente o trabalho mais extenso e complicado que uma loja drop-shipping terá.

Outra das grandes vantagens que o drop-shipping permite é a possibilidade de ter uma loja online como um part-time, já que o tempo despendido para a gestão da mesma é realmente baixo. Neste tipo de negócio o empresário apenas tem que se preocupar com a recepção e envio das encomendas para o fornecedor, não sendo da sua responsabilidade a gestão de stocks, o envio dos produtos para os clientes e a gestão dos mesmos.

Neste tipo de negócio, é o empresário que tem como responsabilidade a apresentação do preço dos seus produtos, sendo sempre vantajoso garantir uma margem mínima de lucro para a loja. Assim, os rendimentos do empresário são referentes a essa mesma margem, já que o cliente final estará a pagar directamente à loja online, enquanto que o empresário tem que pagar o produto (a preço de custo do fornecedor) ao fabricante, garantindo sempre um rendimento mínimo em cada produto.

Para o caso dos produtos excêntricos, inexistentes no nosso mercado ou simplesmente com um valor extremamente elevado, as lojas drop-shipping estão a ganhar terreno e a levar os consumidores a comprarem nelas, mesmo que tenham um tempo de entrega mais longo, garantindo sempre preços muito baixos. É esta adesão constantes e exponencial que vai garantir os rendimentos elevados ao empresário, sendo sempre necessário que o mesmo tenha um sistema de marketing e divulgação da loja, mostrando as vantagens, garantindo preços baixos e o menor tempo de entrega possível.

M-Commerce

E evolução constante das tecnologias e dos sistemas de informação garantem novas formas de se fazer negócios, um desses exemplos é o mobile-commerce que está a ganhar um grande número de adeptos e tem cada vez mais um bom volume de vendas.

O m-commerce é simplesmente a adaptação do e-commerce para uma versão mobile, permitindo assim que os consumidores possam aceder a uma lona online em qualquer lugar, a qualquer momento, sem necessidade de recorrer a um computador. Muitos empresários não têm atenção este modelo de negócio, afirmando que os tablets e smartphones têm capacidade para aceder a uma loja online sem a necessidade de existir uma versão especial para os aparelhos móveis, porém um estudo afirma que grande parte dos consumidores necessita de um layout atraente e intuitivo para fazer as suas compras online, isso inclui obviamente as versões mobile.

Existem várias funcionalidades que devem ser pensadas e adoptadas neste modelo de negócio, desde a possibilidade de usar a aplicação de GPS para estipular o valor do envio da encomenda, até à possibilidade de colocação de uma fotografia para sugestão de venda ou mesmo de análise do melhor preço.

Porém, este modelo de negócio depende directamente da qualidade dos gadgets e da conexão deles à Internet. Hoje em dia, com o surgimento da 4G vai ser possível navegar facilmente nas lojas online, mas para isso é necessário que estas estejam acessíveis através de smartphones e tablets, com um bom e interessante layout, leve para a rapidez no gadget e uma usabilidade acima da média.

Muitos estudos afirmam que este é um dos modelos de negócio que mais caminho tem para percorrer, afirmando ainda que muitas empresas vão crescer exponencialmente nos próximos anos com a adesão ao m-commerce, desde que bem usado obviamente.

Plataformas de pagamento mais utilizadas

Hoje em dia existe um sem número de opções de pagamento que podem ser adoptadas pelas lojas online, garantindo que os seus consumidores encontram a opção que mais vantagens lhe trouxer.

Cartão de Crédito – uma das formas mais populares pelas lojas online, permite que o consumidor forneça o seu número de cartão de crédito e a própria plataforma gera a dívida no cartão do consumidor. Porém é das opções menos procuradas pelos utilizadores comuns, muito pela segurança que esta opção necessita.

Carteiras electrónicas – das opções mais populares para os consumidores de todo o mundo, permitem maior segurança, rapidez de pagamento e sem taxas associadas. Esta opção não requer a inserção de dados bancários no momento da compra, sendo apenas necessário armazenar essa informação na criação da conta electrónica. Existem várias opções, porém as mais populares são: Paypal, Moneybookers e Neteller.

Transferências Bancárias – outra das opções mais populares junto dos consumidores comuns. A loja online fornece os dados bancários necessários, seja através da transferência entre contas com o NIB da loja, seja através do pagamento de serviços com a referência e entidade fornecidos pela loja após a confirmação da encomenda.

Contra Cobrança – uma opção que desde muito cedo se tornou popular, permite que as encomendas sejam enviadas por correios ou transportadoras, sem que o consumidor final tenha feito o pagamento antecipado, fazendo o mesmo no acto da entrega. Apesar de ter alguma segurança para o consumidor, é um dos métodos mais demorados e trabalhosos para a loja online.

Os nossos leitores também viram:

  • Sem artigos relacionados

Diferenças entre servidor partilhado, VPS e dedicado.

Quais são as diferenças/vantagens/desvantagens entre o alojamento num servidor partilhado, um servidor virtual e um servidor dedicado?

A presença online da sua empresa requer vários tipos de decisões diferentes, se por um lado a escolha adequada do seu domínio é importante para os seus utilizadores e reconhecimento visual, por outro lado a escolha do melhor alojamento vai garantir que a sua presença é constante e sem problemas. Apesar de ser uma escolha em que o utilizador final não é realmente pensado, é uma das mais importantes para o futuro do seu website na Internet, isto porque uma má escolha de alojamento pode levar a constantes quebras de serviço, a várias horas de website offline ou mesmo a falta de comunicação entre o cliente e a empresa através de e-mail.

Por isso, hoje vamos deixar aqui algumas dicas para quem precisa de escolher o alojamento web adequado para o seu website, descrevendo as três possibilidades existentes no mercado e mostrando todas as vantagens que estas têm para cada necessidade. As necessidades de cada utilizador ou mesmo de cada website vão fazer com que as escolhas sejam variadas, nomeadamente a nível de recursos necessários para manter o seu website online, por isso antes de escolher qualquer alojamento existente no mercado é necessário conhecer que tipo de recursos o seu website vai necessitar, seja a curto, médio ou longo prazo.

Servidor Partilhado

Esta é a opção mais popular no mercado, usada pela maioria dos utilizadores finais que necessitam de colocar online apenas um website com poucos recursos. Sendo a opção mais barata e a que é mais simples de trabalhar, torna-se a melhor opção para a maioria das pessoas que têm poucos conhecimentos ou que não necessitam de grande atenção por parte das empresas de alojamento.

Neste caso, o seu servidor é partilhado por outros clientes finais, ficando apenas com uma pequena fatia. A memória do mesmo, o sistema operativo, o tráfego, o espaço de disco e todas as características do servidor são partilhadas com outros clientes que adquiriram o mesmo pacote de serviços.

Esta é a melhor opção para quem tem poucos conhecimentos informáticos ou na área dos servidores web, já que a manutenção e gestão do alojamento é extremamente simples. Nestes casos é possível adquirir um serviço por pouco mais de 30€/ano com muita qualidade.

Servidor Virtual (VPS)

Esta é uma opção um pouco mais avançada, ideal para quem tem um website que consume muitos recursos ou para quem deseja colocar online mais do que um website. O aluguer de um servidor virtual, ou também chamado de VPS, torna-se muito mais barato do que vários servidores partilhados, levando assim a que os utilizadores possam ter vários websites online no mesmo pacote de alojamento.

Esta é uma opção intermediária entre o partilhado e o dedicado, onde o servidor virtual é simulado dentro de um computador real, produzindo ambientes independentes apesar de partilharem o mesmo espaço físico. Nesta opção o servidor virtual tem o seu próprio sistema operativo, acesso privado, espaço em disco e tráfego, permitindo assim muito mais segurança e gestão pessoal desses recursos. O servidor virtual permite ainda que o utilizador possa instalar os seus próprios programas, scripts ou sistemas de segurança especiais.

O preço neste caso é bastante mais alto, rondando os 150€/ano porém as vantagens de utilização são bastante maiores do que no caso dos servidores partilhados.

Servidor Dedicado

Uma opção extremamente mais cara mas ao mesmo tempo mais segura e complexo que as outras opções apresentadas anteriormente.

Esta opção consiste no aluguer de uma máquina física totalmente dedicada a um cliente, daí o nome de dedicado, fazendo com que todos os recursos dessa mesma máquina estejam inteiramente e exclusivamente à disposição do cliente. Estas opções são fantásticas para os clientes que tenham mais do que um website online e que queiram garantir a sua constante evolução, com milhares de visitas por dia e com imensos recursos diários.

Em termos práticos, é o mesmo que imaginar um servidor dedicado como um prédio, podendo posteriormente esse prédio ser dividido em quantos andares se o cliente necessitar, fazendo assim com que cada andar funcione como um servidor partilhado, dividindo os recursos irmãmente (ou não) pelos vários websites que necessita.

Como seria de esperar, um servidor dedicado tem custos extremamente elevados, podendo ascender as centenas de euros por mês, no entanto para aqueles que têm websites de grande dimensão e que querem garantir a sua segurança, é das melhores opções existentes no mercado hoje em dia. Existe também a necessidade extrema de administração do próprio servidor, já que nestes casos a empresa de alojamento está livre de gestão do servidor, sendo assim necessários conhecimentos avançados para garantir o bom funcionamento do mesmo.

Linux x Windows

Existem ainda outras diferenças que é necessário destacar, já que todas as 3 opções apresentadas anteriormente pode estar disponibilizadas em uma de duas plataformas: Linux ou Windows.

Em termos gerais, maior parte dos utilizadores usam os servidores na plataforma Linux, já que estes garantem uma grande capacidade de gestão de grandes volumes de tráfego para o seu website, uma segurança elevada e maior parte dos recursos necessários para os utilizadores mais comuns.

Por outro lado, os servidores na plataforma Windows são indicados para aqueles que necessitem de correr aplicações criadas especialmente a pensar neste tipo de servidores, geralmente aplicações, linguagens e tecnologias da Microsoft. Estes casos são aconselhados apenas para utilizadores avançados e com conhecimentos de gestão bastante elevados.

Que escolha fazer para o seu primeiro alojamento?

Agora que já esclarecemos todas as diferenças que existem entre os vários tipos de alojamento disponíveis no mercado, é importante lembrar que a escolha deve ser feita de acordo com as necessidades de cada utilizador, a curto, médio e longo prazo.

Todas as opções têm as suas vantagens e desvantagens, por isso antes de avançar é importante conhecer cada uma das opções e as características que cada empresa garante nos pacotes disponibilizados, depois comparar com as necessidades do(s) seu(s) website(s) e encontrar a opção que mais garantias lhe trouxer para que o seu website não esteja offline, podendo assim perder imenso dinheiro.

Por último mas não menos importante é necessário lembrar que qualquer uma das opções que escolha inicialmente, podem mais tarde vir a ser mudadas, já que as suas necessidades podem igualmente ser diferentes, para isso é importante que a empresa que escolha tenha um apoio ao cliente bastante activo para que possa ajudar em qualquer mudança que seja necessária.

Os nossos leitores também viram:

  • Sem artigos relacionados